Purim, 25/26 de fevereiro

Quando precisamos nos esconder

Usar máscaras já teve um significado mais feliz.

Não só no Carnaval, mas, séculos antes, em Purim.

Alguns dizem que as máscaras servem para lembrar que houve uma época em que judeus precisaram se disfarçar para sobreviver — isso ocorreu várias vezes na história, na verdade. Outros dizem que servem especificamente para simbolizar o oculto, que nada é apenas sua aparência.

Continue Reading

O que forma uma divindade

O que é uma divindade? Deuses podem morrer? Qual a relação entre divindades e a humanidade?
As respostas obviamente dependem de para quem se pergunta, diante de visões de mundo e paradigmas. Irei expor aqui alguns aspectos que fazem sentido diante da forma que eu me relaciono com o macro e com a magia, com um enfoque bem animista.

Imagem destacada: os “Deuses Antigos” de muitos povos no seriado American Gods

Continue Reading

Bibliografia Recomendada

Estamos organizando esta página com recomendações de livros para o estudo mágico. Buscamos livros que tenham edição brasileira e estejam disponíveis na Amazon, todos com links (que ajudarão o Platinorum caso seja concluída uma compra iniciada através deles). Também estão incluídos alguns livros cuja edição digital foi disponibilizada gratuitamente pelo autor. Quando estes livros já tiverem sido detalhados em um post de recomendação, também deixaremos o link para ele!

Continue Reading

O Ragnarök nosso de cada dia

Desta vez falaremos sobre um tema popular da mitologia: o Ragnarök (“Crepúsculo dos Deuses”). Temos inúmeras adaptações do mito tanto em modelos de contos quanto na cultura pop, sempre como um evento assombroso e apocalíptico e muitas vezes assumindo um tom parecido com o de uma tragédia grega; os deuses teriam medo dessa profecia, e atos que visavam a evitar são justamente o que a desencadeiam. Vamos debater um pouco esta visão em relação ao que é apresentado nas Eddas e tentar extrair algo dele para o nosso cotidiano.

Continue Reading

Destilando Ódio a Blavatsky

Boba! Feia! Yogi gorda! Adepta de olho inchado! Fumante que reclama que os espíritos só vêm nas suas sessões para fumar, beber e falar putaria!

No meio oculto, alguns personagens sempre têm destaque – especialmente no hermetismo. Papus, Eliphas Levi, Crowley, Agrippa…. e, porquê não, Helena Petrovna Blavatsky. Contudo, ainda que alguns tenham sido muito conhecidos em sua época e até mesmo pelos seus posteriores, é muito difícil vermos alguém que tenha uma opinião moderna sobre esses autores.

Claro, opiniões todos têm – mas poucos textos nos dão uma ideia de como é sua escrita e qual é a sensação de ler o que o autor escreve. Mais importante ainda, pouquíssimos textos discutem a filosofia básica do autor e suas influências.

Pois bem. Façamos isso, pois acho que vale a pena.

 

Continue Reading

O Despertar ao Amanhecer

O equinócio de primavera marca o despertar da terra e o início da semeadura. Dentro de uma ritualística sazonal, observar o início dessa estação também significa o momento em que a energia telúrica tomará seu espectro diurno e conduzirá tudo à uma postura ativa. Discutiremos as bases dos rituais sazonais e dos mistérios da movimentação natural com base nas Libações de Primavera.

Continue Reading

Gamaliel e o templo de ferro

Este artigo continua o experimento de caminhar pelas qliphot. O início está no post anterior: Lilith e a chuva seca. Não acho que deveria publicar muitos detalhes sobre os preparativos, embora tenham me comentado que o texto anterior pareceu parar no meio do caminho. Suponho que não seja prudente publicar todo um ritual para acessar energias das qliphot, se as qliphot forem o que dizem que elas são. Mas posso dar mais detalhes se houver dúvidas específicas.

Por outro lado, os exercícios para limpeza do dia-a-dia pareceram ser suficientes. Não que eu tenha tentado manipular as energias de Lilith, mas por enquanto nenhuma influência “inferior” pareceu causar problemas.

Problemas de tradução

Gamaliel quer dizer “gamal”, upgrade, evolução, passar de nível, esforço para aprender e amadurescer, crescimento; “gemula” é investimento; -el, geralmente traduzido como “de Dus”. “Gimel”, a letra, é geralmente dita significar “doação”. Já discutimos a relação entre doação e estudo da Torah, em especial sobre a relação das tribos de Zebulon e Issacar, imagino que seja apropriado reler um pouco para entender o funcionamento desta qlipha.

Nas minhas notas, encontrei uma única referência entre Gamaliel e obscenidades. Em uma anedota sobre como os gregos se diferenciam dos judeus em sua moralidade:

O estudante de Aristóteles, o jovem Alexandre, o Grande, entrou nos aposentos do mestre sem ser anunciado e encontrou Aristóteles em “comportamento imoral”. (Honestamente, não sei o que Alexandre, o Grande, poderia achar “imoral”. Imagino Aristóteles com um par de galinhas, um bode e óleo de oliva… mas deve ser algo mais como “usura”.) Dizem que a imagem impactou sobre o jovem Alexandre de tal modo que seus olhos ficaram cada um de uma cor. Mais tarde, o pupilo veio a perguntar ao mestre: “Era aquele o modo como o grande Aristóteles, filósofo, professor, mentor, deve se comportar? Aquele era um comportamento ético?” Aristóteles teria respondido: “Quando eu ensino filosofia e sobre as maravilhas do mundo, eu sou Aristóteles. Mas, em minha vida privada, eu não sou Aristóteles.”

Duvido que essa anedota deva ser levada muito a sério.

Esfera do dia: Gamaliel — templo de ferro

O acesso à sitra ahra é feito através de projeção, primeiro em direção à Lilith, utilizando o caminho aberto no exercício anterior, marcado pelo símbolo da circunferência vermelha. Eu poderia ir diretamente para Gamaliel? Poderia, mas entendo ser necessária certa coerência para não me perder nas referências do outro lado.

As recomendações para a projeção até Gamaliel incluem abstinência sexual e privação de sono. Só posso imaginar que sejam sugestões para obter o oposto, mais vontade de fazer sexo (e obscenidades?) e mais necessidade de dormir.

Iniciei o exercício buscando a entrada para a primeira qlipha, com a imagem da circunferência vermelha. Já descrevi a primeira câmara no outro post. Atravessando as raízes que desciam do teto, visualizei uma saída para um lugar mais escuro. Eu esperava enxergar outras duas saídas, atalhos para as outras esferas, mas não vi nada nesse sentido.

O caminho saindo da câmara era estreito. Algum tipo de pedra cinzenta, quebrada em ângulos limpos. Diferente da câmara anterior que parecia áspera, mas de terra. Não vi nada no caminho além da constrição, da dificuldade de atravessar o caminho que insistia em ser justo demais, apertado demais. Não demais, mas só o suficiente para que eu pudesse atravessá-lo. O caminho meio que me obrigava a fazer curvas só porque podia.

A primeira imagem da qlipha de Gamaliel foi a de uma entranha escura. Alguma coisa se mexia em torno, pelas paredes, como intestinos. Mas as paredes eram fixas, com riscos, rabiscos, uma caligrafia embaralhada em letra cursiva. Eram mais regulares do que garatujas. Me lembrou o que dizem de não conseguirmos ler enquanto sonhamos. Não sei se é verdade.

No centro da câmara, o teto era aberto para um céu estrelado. Não acho que eu reconheceria as estrelas e constelações. Não tenho certeza de que aquelas estrelas formavam qualquer tipo de constelação. Me senti observado. Não quis olhar para cima por muito tempo.

As paredes pareciam preparada para algum tipo de ritual nada saudável. Os elementos estavam no lugar errado. Quero dizer, era uma câmara circular, não vi quatro quadrantes de jeito nenhum. A caligrafia nas paredes era negra, mas parecia simbolizar elementos sobrepostos, como as pinturas de Jackson Pollock sobrepoem cores mas ao mesmo tempo elas nunca se misturam. Imagens que a gente não consegue capturar na memória, porque são muito complexas. Mesmo que elas sejam sempre iguais, a gente não as reconhece como iguais.

Agora, escrevendo após o contato, o lugar me parece um tipo de templo, como se tivesse sido um templo há muito tempo, mas alguém passou e rabiscou as paredes com alguma magia para que fosse esquecido. Era um lugar familiar. E não era. Pensando assim, para trás, era como aquela primeira memória de alguma coisa. A primeira vez que dormiu em uma cama nova. A primeira vez que experimentou uma comida nova. A primeira leitura de um livro. A primeira vez que visitou a sinagoga, e, lembrando, ela se é familiar, mas daquela vez não era, e eu não consigo diferenciar o era e o não era. Também poderia ser um anfiteatro?

Para mim, paralelo aos “sonhos” de Yesod, em Gamaliel moram os significantes sem seus significados; não os arquétipos, mas as imagens arquetípicas, que, como queria Jung, podem ainda vir a significar qualquer coisa; só se tornarão signos na ausência de outras imagens. Como todas as imagens estão aqui, nada significam.

Escolhi a imagem do buraco no teto como parte do símbolo para retornar até aqui. Um triângulo para a aspereza, dureza do lugar. E um semicírculo como marca do local como templo incompleto ou continente ou recipiente…

A saída foi menos limpa do que da primeira vez. Saltei direto para o início de Lilith. Imaginei uma pedra fechando a entrada. Repeti: “deixei toda qlipha para trás”.

Continue Reading