Adão e o Fruto Proibido

https://images.unsplash.com/photo-1567275047905-85271aa79cb3?ixlib=rb-1.2.1&q=85&fm=jpg&crop=entropy&cs=srgb

Atribui-se a Rabbi Nehemiah, através do Talmud, a noção de que a fruta da Árvore da Vida, que Adão e Eva comeram antes de serem expulsos de Gan Eden, era um figo. Rabbi Nehemiah sugere que o uso de folhas de figueira para “cobrir o sexo” em Genesis/Bereshit 3:7 seria indicativo de que “aquilo que causa o mal deve ser usado para retificar o mal”.

Continue Reading

Anotações sobre a criação e os seres humanos na Cabala, estudos do mês

Os elementos fundamentais da cabala são três. Fogo, ar e água.

A descrição do início do universo, em Gênesis/Bereshit tem ainda a “escuridão”. Uma vez que a “luz” não havia sido criada ainda, os cabalistas desde sempre registram que “escuridão” obviamente não é uma expressão literal. A escuridão é descrita como quente.

Continue Reading

“Onde está você?” e “Onde está seu irmão?”

Paralelos e atemporalidade do texto

“Onde está você?” é a pergunta de D’us para Adão, em Bereshit/Genesis 3:9, logo após Adão comer da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal.

“Onde está seu irmão?” é a pergunta de D’us para Caim, em Bereshit/Genesis 4:9, logo após este matar Abel.

O paralelo é importante. Mesmo que os dois tenham sido punidos pelo que fizeram, o erro (crime ou pecado) são bem diferentes. Adão desobedece uma ordem direta de D’us, come da árvore que está no centro do jardim. D’us o chama e ele está escondido por “vergonha” (dizem, vamos ficar com essa resposta agora). É claro que D’us, onisciente, onipresente e tudo mais, sabe onde está Adão. D’us dá uma oportunidade para que Adão retorne a D’us. Adão retorna, admitindo seu erro.

Já quando Caim mata seu irmão, D’us pergunta sobre seu crime. Obviamente D’us sabe o que Caim fez (onisciente, onipresente e tal), mas Caim não aceita a oportunidade. Ao contrário, escolhe se afastar de D’us.

Continue Reading

Vontade de morrer

A discussão sobre a definição de Vontade nos estudos contemporâneos da cabala parecem sempre girar em definições circulares, como um ralo que nunca esvazia a pia.

Tentei condensar a explicação em algumas metáforas simples. A questão é que “vontade” é uma palavra usada no dia-a-dia, mas não está aqui com esse significado cotidiano. Isso acontece com termos técnicos.

Continue Reading

Demônios imaginados: os Shamashim

Em Chanuka, o costume judaico é acender um candelabro, chamado chanukiah, com oito velas. Chanuka é uma festividade de 8 dias. A cada noite acendem-se o número de velas do dia respectivo. Uma na primeira noite, duas na segunda noite, três na terceira… Mas, se você prestar atenção, verá que as representações da chanukiah têm 8 velas. A chanukiah de verdade tem 9 velas. A nona vela é chamada de shamash.

Continue Reading