Uma Não-Amarração de Dia dos Namorados

Bom dia, meus caros e caras!

Como sabem, amarrações são um tópico execrado na maior parte das ordens e tradições magisticas ocidentais – basicamente por ser magia negra do pior tipo, onde uma pessoa é usada de objeto pela outra por conta dos desejos e obsessões da segunda.

Não muito diferente de forçar alguém à escravidão amorosa e sexual!

Mas, ainda assim, muitos buscam esse tipo de serviço em casas de umbanda ou de pessoas que praticam magia em geral.

A todos que se sentem inclinados a buscar essa prática, ou até mesmo àqueles que, nesse dia especial, se sentem apenas solitários e em busca de amor, o Colégio Platinorum oferece um ritual de amor sincero, não para prender os outros, mas sim para libertar a você mesmo!

Oferecemos a vocês, o poderoso ritual da não-amarração!

 

Continue Reading

Matemática Universal

 

Há aqueles que acreditam que tudo está determinado.

E há aqueles que acreditam que tudo depende de nós.

Entre ambos, normalmente surge um sentimento violento e incômodo.

Aqueles que acreditam que tudo está determinado têm a lógica ao seu lado, pois falam da causalidade.

Já aqueles que acreditam que tudo depende de nós, evocam que a causalidade depende de nossas ações, de nossas escolhas.

Eu digo que ambas as coisas são a mesma, e que esse sentimento incômodo de paradoxo é nada mais que uma percepção limitada da realidade.

Aprofundemos.

 

Continue Reading

O Aparato de um Mago – Parte 3

Depois de discutirmos os Instrumentos mais recorrentes na magia prática (parte 1, parte 2), falaremos agora sobre a questão que tanto bloqueia iniciantes: como deve ser a forma física de um Instrumento? Deve seguir instruções tradicionais porém pouco práticas nos dias atuais? Ou é possível adaptar e usar o potencial de nossas Mentes para dar formas mais diversificadas à eles?

Continue Reading

O Aparato de um Mago – Parte 2

Na primeira parte da série, definimos o que é um Instrumento magístico e nos focamos em dois dos principais do hermetismo, o bastão e a taça. Recapitulando, os quatro principais Instrumentos desta linha são os primeiros a serem lembrados na magia prática ocidental e são influentes mesmo em outras correntes.

Continuando, agora serão discutidas a adaga e o pantáculo. Entenderemos a simbologia por trás destes Instrumentos e suas funções mais comuns dentro da prática.

Imagem Destacada: o protagonista de Rurouni Kenshin com sua espada Sakabatou

Continue Reading

O Aparato de um Mago – Parte 1

Depois de entender como a magia funciona, resta a dúvida: o que é preciso ter em mãos para realizá-la? Tradições medievais falam de objetos de ouro e prata, lâminas virgens e madeira colhida no fim de uma estação à luz do luar; as africanas de cabaças, objetos de metal pesado e fetiches; as herméticas de taças, adagas e círculos repletos de símbolos intrincados. Qual é o correto?

Começamos aqui uma série para discutir os itens empregados no trabalho da magia. Analisaremos alguns dos mais conhecidos e suas simbologias, para no fim dela discurtir as funções adotadas em diferentes linhas de pensamento, as formas físicas que podem ter e como encontrar aqueles que se adequem melhor a nós.

Imagem destacada: os Instrumentos de John Dee, expostos no Museu Britânico

Continue Reading

Egrégoras, Evocação Energética e Shows Musicais

Por mais que muitas vezes nos esqueçamos disso, eventos cotidianos possuem suas próprias egrégoras, energias e repercussão em outros Planos. Shows e outras apresentações musicais estão sempre presentes como exemplos de como um evento comum (nem tanto, neste caso particular…) pode ser poderoso em termos magísticos e aproveitado por alguém com os conhecimentos necessários. Lançamentos de sigilos e consagrações feitas em concertos musicais são poderosos, e um excelente exercício envolvendo egrégoras e manipulação energética.

Imagem destacada: Aerosmith no Allianz Parque, 2016

Continue Reading

O Ginnungagap como um Modelo de Magia

No primeiro post sobre modelos de magia baseados na simbologia nórdica, exploramos um interno baseado na hamr. Agora, discutiremos um modelo mais voltado para o exterior baseado no mito de criação apresentado nas Eddas. Ambos são complementares, e são de grande proveito se usados simultaneamente.

Imagem destacada: o vulcão Eyjafjallajökull, na Islândia. Segundo estudiosos dos mitos, a dualidade “gelo&fogo” pode só ter adquirido a importância que observamos hoje entre os colonizadores da ilha. Uma possível anterior, apontada em poemas rúnicos, pode ser “inverno&verão”.

Continue Reading

A hamr como um Modelo de Magia

Anteriormente, conhecemos um mapeamento para a alma humana (hamr) baseado na simbologia nórdica – dividido na mente, na aura e na Consciência. Agora, cruzaremos estes conceitos para criar um modelo de magia, com um enfoque para o autoconhecimento. Para isto, discutiremos formas de se obter um entendimento prático dos símbolos apresentados.

Imagem Destacada: RAIDHO

Continue Reading