Purim, os barulhos para espantar o mal e os presentes aos pobres

Dia de beber até ficar bêbado

Beber até não saber a diferença entre bendito seja Mordechai e amaldiçoado seja Haman.

Dia 17 de março de 2022 foi Purim (como vocês já devem saber, o “dia” de Purim foi do anoitecer do dia 16 até o fim da tarde do dia 17). Alguns pensamentos sobre esse dia que passou.

Ainda acho curioso essa necessidade de unir um herói e um vilão. Por que esquecer a diferença entre essas duas personagens se a função de Purim é exatamente lembrar dessa história?

Penso em hishtavut. Seria a bebida um caminho para a equanimidade? Ou apenas uma metáfora para o estado contemplativo de equanimidade esperado por aquele que ouve a história de Purim. Equanimidade é não pensar mal de quem lhe fez mal, mas também é não pensar bem de quem lhe fez bem. Mordechai e Haman seriam iguais para alguém equânime?

Continue Reading

Ano novo, novas promessa

Rosh Hashana é a “Cabeça do Ano”, onde tudo que vai acontecer no ano é decidido.

Essa crença se repete em diversos níveis no judaísmo. Há quem acredite que o clima dos 12 primeiros dias ditam o clima para os 12 meses do ano. Se o primeiro dia é seco, o primeiro mês será sem chuvas. Se no segundo dia temos uma tempestade, o segundo mês será de temporais e inundações. E assim por diante.

Continue Reading

Anotações sobre a criação e os seres humanos na Cabala, estudos do mês

Os elementos fundamentais da cabala são três. Fogo, ar e água.

A descrição do início do universo, em Gênesis/Bereshit tem ainda a “escuridão”. Uma vez que a “luz” não havia sido criada ainda, os cabalistas desde sempre registram que “escuridão” obviamente não é uma expressão literal. A escuridão é descrita como quente.

Continue Reading

Vontade de morrer

A discussão sobre a definição de Vontade nos estudos contemporâneos da cabala parecem sempre girar em definições circulares, como um ralo que nunca esvazia a pia.

Tentei condensar a explicação em algumas metáforas simples. A questão é que “vontade” é uma palavra usada no dia-a-dia, mas não está aqui com esse significado cotidiano. Isso acontece com termos técnicos.

Continue Reading

Demônios imaginados: os Shamashim

Em Chanuka, o costume judaico é acender um candelabro, chamado chanukiah, com oito velas. Chanuka é uma festividade de 8 dias. A cada noite acendem-se o número de velas do dia respectivo. Uma na primeira noite, duas na segunda noite, três na terceira… Mas, se você prestar atenção, verá que as representações da chanukiah têm 8 velas. A chanukiah de verdade tem 9 velas. A nona vela é chamada de shamash.

Continue Reading

É permitido fumar: o lugar do pecado na prática espiritual

Alguém perguntou sobre o cigarro no judaísmo. Sendo o suicídio condenado na religião judaica, alguém perguntou, não seria o fumo uma espécie de suicídio lento e portanto proibido? Nosso rabino respondeu que não, e acendeu seu cigarro.

Há uma questão (taxonômica talvez) aqui: quão devagar seria permitido causar mal a si mesmo e ainda não ser classificado como “suicídio”? Quero dizer, seria permitido pelo judaísmo, em algum grau, fazer mal a si mesmo? Aqui me parece que há a questão do ponto de partida e do caminho desejado.

Continue Reading

Vou buscar fama entre deuses esquecidos…

As pessoas buscam fama na internet, porque, no fundo, não acreditam.

Não acreditam que seus crochês são bem costurados, que suas sobrancelhas foram bem desenhadas, que leram os livros certos, que o que fazem da vida é importante. Precisam confirmar que estão certos.

Aos berros, querem convencer que nazismo é de esquerda, que a Terra é plana, que migrantes a pé são um Walking Dead da vida real, que vencedores de Reality Shows são pessoas legais, que, se eles não podem abortar, ninguém mais pode, que todos devem se sentir culpados por gostar mais de uma pessoa que de outras, que o sapato de solado vermelho é sempre do mesmo número mas serve em todo pé.

Precisam impor justiça, porque seu deus é impotente.

Continue Reading