A Água Interior e o Monstro de Três Cabeças

cabala-banner

“É preciso dar vazão aos sentimentos!
É preciso dar vazão aos sentimentos!
É preciso dar vazão aos sentimentos!”
Bidê ou Balde, É Preciso Dar Vazão aos Sentimentos

Li por aí a expressão “Água interior” e achei que se encaixa bem aqui. Água é o mundo emocional. O que sentimos ou, antes, o movimento interno causado pelos estímulos recebidos pela superfície/interface dos nossos sentidos: tato, olfato, paladar…

Continue Lendo

Acher, o outro

Captura de Tela 2017-09-29 às 10.41.03

Um dia, o grande rabino Elisha ben Abuya decidiu deixar o judaísmo. É aparente nos escritos judaicos um certo rancor com essa escolha. Mas, apesar de deixar claro o descontentamento com o caminho tomado por ben Abuya, o judaísmo não conseguiu esquecê-lo.

Nascido pelo ano 70 EC, pouco se sabe sobre sua vida. Ou talvez os registros tenham sido apagados. Sabe-se que nasceu na região da Palestina provavelmente em uma família muito rica. O jovem Elisha teve chance de dedicar-se ao judaísmo, mas também de viajar e conhecer outros povos.

Sabemos que foi um grande rabino, pois há ao menos uma decisão rabínica registrada em seu nome no Talmud. Talvez, outras decisões tenham sido posteriormente atribuídas a seus alunos ou de outros rabinos.

Continue Lendo

E quem é você para ter a audácia de se declarar um nada?

cabala-banner

Em pleno Dia do Perdão, o presidente da sinagoga, em meio ao coro de preces que pediam pela retificação dos erros, se levantou visivelmente emocionado e confessou:

— Meu Deus! Quem sou eu? Eu sou um nada.

Logo depois, seguindo seu exemplo, levantou-se o diretor cultural da sinagoga, que também admitiu:

— Meu Deus! O que sou eu? Eu sou um nada. — voltando a sentar-se com um ar constrito.

Na sequência, o chazan, o cantor da sinagoga, levantou-se e proclamou com sua bela voz:

— Meu Deus, o que sou eu, então? Eu sou mais um nada.

Animado pela seqüência, o shamash, o zelador da sinagoga, fica de pé e confessa:

— E eu, Meu Deus, quem sou eu? Eu sou um nada.

De imediato, várias pessoas protestam:

— E quem ele acha que é para se declarar um “nada”?

Continue Lendo

A magia mais poderosa

cabala-banner

Um mago judeu — digo — um rabino, profundo estudioso da cabala, entrou pela porta da sala de aula.

Viera visitar a escola algumas vezes antes e hoje estava interessado em saber como as crianças estavam se comportando em seu aprendizado das letras. A turma era de alunos pequenos. Nas escolas modernos, os alunos estavam divididos por idade. Muito diferente das escolas onde o rabino estudara. A turma era só de crianças pequenas que cochichavam assustadas tentando descobrir o que o rabino era.

Continue Lendo

Duas mulheres, com profissão, sem pais, nem maridos, circa 1.400 a.C.

midwivesQuando o Faraó decidiu mandar matar todos os meninos hebreus que viessem a nascer, mandou chamar pelo nome duas mulheres: Shifra e Pua.

— Shifra e Pua, façam com que não nasçam mais meninos hebreus vivos! Quando vocês foram chamadas às casas das mulheres prestes a dar à luz e for um menino, asfixiem-no e digam à mãe: “sentimos muito, mas seu filho nasceu morto”.

Para mim, o mais interessante não é nem a confiança que o Faraó tinha em sua própria voz de comando, mas o fato de essas duas mulheres terem profissão e não terem marido ou família registradas na Torah. Não é só curioso para mim. Isso deve ter atraído a atenção de diversos estudiosos ao longo dos anos, pois diversas tentativas de explicações aparecem nas discussões rabínicas.

Continue Lendo

Verbos declarativos, o jussivo e o coortativo

Cursor_e_Photo_by_Clark_Young___Unsplash

Não, isso não é aula de português. Até porque isso é matéria que todo mundo deveria aprender na escola. Só vamos repassar um pouco a ligação do tema com cabala…

Não confundam com PNL, na mesma linha do post sobre Saussure e a conexão entre magia e linguagem, alguns verbos se distinguem do uso comum da língua por não apenas simbolizarem algo, mas serem essa ação. Essas são formas especiais de verbos declarativos.

Verbos declarativos são fáceis de identificar. Quando usados na primeira pessoa (eu), o uso do verbo indica uma ação e é essa ação ao mesmo tempo. Por exemplo, se eu digo “eu juro“, o verbo indica meu juramento e é o juramento em si. O juramento se executa no momento em que eu pronuncio o verbo.

Também pode ser: eu prometo, eu confirmo, eu aceito, eu nego, eu confesso, eu concordo, eu desculpo, eu insisto, eu proclamo.

Falar e agir são a mesma coisa.

De forma semelhante, o verbo jussivo é o uso do verbo para fazer um pedido. Em hebraico, o verbo é conjugado no chamado “imperfeito”; em português, a tradução normalmente é feita colocando o verbo no modo subjuntivo. Em ambos os casos, o contexto é que auxilia na identificação do verbo jussivo. Ele aparece como reforço de um desejo ao se dirigir a quem pode satisfazer esse desejo.

São exemplos: lembre-te de tua promessa, queira o Rei ser piedoso, tragas* dinheiro e prosperidade.

*diferente do imperativo, que é uma ordem, o jussivo se mantém no presente do subjuntivo.

Já o verbo coortativo é aquele que indica a vontade do falante em fazer uma ação. No hebraico, ele aparece na primeira pessoa, não raro, no plural. Na tradução ao português, é comum colocar o verbo no futuro. “Desçamos e confundamos” é coortativo (Genesis/Bereshit 11). O plural costuma confundir. O verbo pode ser interpretado como uma ordem (“vocês desçam e vocês confundam”) ou como uma indicação de promessa de que o falante tomará tal ação (“eu descerei e eu confundirei”). Por isso, o papel dos anjos na confusão das línguas em Genesis/Bereshit 11 sempre foi um problema.

São exemplos de uso coortativo: observarei tuas leis, firmaremos uma aliança, chegarei em casa antes da meia-noite.

Algumas vezes, as traduções colocam o verbo “quero” (“quero observar tuas leis”), mas isso me parece enfraquecer o uso do verbo. Eu posso querer alguma coisa e nunca tomar nenhuma atitude a respeito. Mas o verbo coortativo claramente tem o objetivo de garantir as ações futuras, seja de si ou de outras pessoas. E, diferente do imperativo, não é uma ordem, mas uma declaração de vontade.

Para que servem?

Parece óbvio, mas eu vou escrever assim mesmo. No uso da palavra em rituais, é necessário precisão. Eu sei que muito já se disse sobre como a vontade é importante e sobre como a emoção basta e sobre como o amor salvará a todos no final e blá blá blá. Então, tomem este texto como uma ferramenta. Ou melhor, como uma forma de calibrar as ferramentas.

Há diferença entre dizer:

  • Eu quero ter sucesso.
  • Eu juro que terei sucesso.
  • Eu terei sucesso.

Ou entre:

  • Eu quero que me tragas sucesso.
  • Queiras tu, ó entidade, que eu seja bem sucedido.
  • Teremos sucesso nesta empreitada.

A escolha do verbo altera o modo como a ação toma forma no mundo material. Ou, se tu não acreditas nisso, muda como ela é projetada para fora de ti. A atenção dispensada nesse planejamento de como a ideia se transformará em ação retorna em energia para o ritual.

Continue Lendo

Entre o hebraico e o caos: Ferdinand de Saussure

3
Tudo daqui pra frente é um truque elaborado para te enganar.

Parece normal, quando alguém quer estudar magia, que esqueça que nosso entendimento se sustenta em séculos de pensadores iniciados e leigos conversando entre si. Até mesmo de séculos em que não havia diferença entre o pensamento do leigo e o do iniciado. Nos estudos de cabala judaica, é importante compreender o pensamento de onde a ideia de magia das palavras se inicia: a palavra imanente ao objeto. A cabala sustenta que a palavra hebraica é tão pura e original que está diretamente ligada à essência imanente das coisas.

Continue Lendo

Why Aren’t Jewish Women Circumcised?, de Shaye Cohen

Captura de Tela 2016-11-26 às 15.07.10O livro do professor Shaye Cohen, PhD em História Antiga e rabino, usa a pergunta “Por que as mulheres judias não são circuncidadas?” para traçar a história da Aliança através dos séculos. Elabora sob diversas óticas o que era e o que é ser judeu em diversos tempos na História. E conclui encontrando identificando os aspectos principais do que é ser judeu e o que é a Aliança.

O livro se separa em duas partes de 4 capítulos cada:

Parte Um:

  1. A canonical history of jewish circumcision
  2. Were jewish women ever circumcised?
  3. Christian questions, christian answers
  4. From reticence to polemic

Parte Dois:

  1. The celebration of manhood
  2. The reduction of lust and the unmanning of men
  3. True faith and the exemption of women
  4. The celebration of womanhood

A primeira parte traz perspectiva histórica da circuncisão. A segunda parte, sendo a mais interessante, traz quatro respostas à pergunta do título. Por que não circuncidar as mulheres judias? Importa aqui a reunião de conceitos legais e culturais judaicos na construção das possíveis respostas. Contorna a crença cristã de que, ao substituir circuncisão por batismo, o cristianismo seria “mais inclusivo”.

Spoiler: diferente do que se pode imaginar, “a circuncisão não é” — conclui o professor Cohen — “um sinal maior da Aliança do que qualquer outro sinal da Aliança”.

Continue Lendo

A Cabala e a Mística Judaica, de Gershom Scholem

Captura de Tela 2016-11-26 às 14.51.02Se existisse uma Escola de Frankfurt para estudos de mistiscismo judaico, essa escola teria sido liderada por Gershom Scholem. Scholem foi amigo de Walter Benjamin. Era historiador, teólogo e filólogo.

O princípio para os estudos dirigidos por Scholem era o de submeter a mística judaica à disciplina da Filologia e da História. Assim, o autor nos apresenta uma cabala viva, mutável e histórica, longe da imposição dogmática. A cabala judaica atual é apresentada como fruto de uma luta entre o monoteísmo e os mitos, luta a qual o monoteísmo nunca conseguiu vencer de forma plena.

Na tentativa de evitar os conflitos doutrinários, o judaísmo escolheu apagar ou esconder o mistiscismo, na tentativa de evitar que o poder fosse imposto de cima para baixo. E, como ato final de conciliação, o judaísmo teria reduzido D’us a um conceito filosófico, impedindo que pudesse ser ator e permitindo que pudesse ser discutido abertamente.

É importante notar que, para Gershom Scholem, em sua interpretação cabalística, o mal não existe. O que chamamos de mal é a ausência do bem, a fronteira do humano. Nossa noção de bem e mal, segundo Scholem, vem mais do neoplatonismo do que de possíveis ligações com o dualismo do zoroastrismo.

É uma visão otimista, mas fundamentalmente judaica.

Continue Lendo