Verbos declarativos, o jussivo e o coortativo

Cursor_e_Photo_by_Clark_Young___Unsplash

Não, isso não é aula de português. Até porque isso é matéria que todo mundo deveria aprender na escola. Só vamos repassar um pouco a ligação do tema com cabala…

Não confundam com PNL, na mesma linha do post sobre Saussure e a conexão entre magia e linguagem, alguns verbos se distinguem do uso comum da língua por não apenas simbolizarem algo, mas serem essa ação. Essas são formas especiais de verbos declarativos.

Verbos declarativos são fáceis de identificar. Quando usados na primeira pessoa (eu), o uso do verbo indica uma ação e é essa ação ao mesmo tempo. Por exemplo, se eu digo “eu juro“, o verbo indica meu juramento e é o juramento em si. O juramento se executa no momento em que eu pronuncio o verbo.

Também pode ser: eu prometo, eu confirmo, eu aceito, eu nego, eu confesso, eu concordo, eu desculpo, eu insisto, eu proclamo.

Falar e agir são a mesma coisa.

De forma semelhante, o verbo jussivo é o uso do verbo para fazer um pedido. Em hebraico, o verbo é conjugado no chamado “imperfeito”; em português, a tradução normalmente é feita colocando o verbo no modo subjuntivo. Em ambos os casos, o contexto é que auxilia na identificação do verbo jussivo. Ele aparece como reforço de um desejo ao se dirigir a quem pode satisfazer esse desejo.

São exemplos: lembre-te de tua promessa, queira o Rei ser piedoso, tragas* dinheiro e prosperidade.

*diferente do imperativo, que é uma ordem, o jussivo se mantém no presente do subjuntivo.

Já o verbo coortativo é aquele que indica a vontade do falante em fazer uma ação. No hebraico, ele aparece na primeira pessoa, não raro, no plural. Na tradução ao português, é comum colocar o verbo no futuro. “Desçamos e confundamos” é coortativo (Genesis/Bereshit 11). O plural costuma confundir. O verbo pode ser interpretado como uma ordem (“vocês desçam e vocês confundam”) ou como uma indicação de promessa de que o falante tomará tal ação (“eu descerei e eu confundirei”). Por isso, o papel dos anjos na confusão das línguas em Genesis/Bereshit 11 sempre foi um problema.

São exemplos de uso coortativo: observarei tuas leis, firmaremos uma aliança, chegarei em casa antes da meia-noite.

Algumas vezes, as traduções colocam o verbo “quero” (“quero observar tuas leis”), mas isso me parece enfraquecer o uso do verbo. Eu posso querer alguma coisa e nunca tomar nenhuma atitude a respeito. Mas o verbo coortativo claramente tem o objetivo de garantir as ações futuras, seja de si ou de outras pessoas. E, diferente do imperativo, não é uma ordem, mas uma declaração de vontade.

Para que servem?

Parece óbvio, mas eu vou escrever assim mesmo. No uso da palavra em rituais, é necessário precisão. Eu sei que muito já se disse sobre como a vontade é importante e sobre como a emoção basta e sobre como o amor salvará a todos no final e blá blá blá. Então, tomem este texto como uma ferramenta. Ou melhor, como uma forma de calibrar as ferramentas.

Há diferença entre dizer:

  • Eu quero ter sucesso.
  • Eu juro que terei sucesso.
  • Eu terei sucesso.

Ou entre:

  • Eu quero que me tragas sucesso.
  • Queiras tu, ó entidade, que eu seja bem sucedido.
  • Teremos sucesso nesta empreitada.

A escolha do verbo altera o modo como a ação toma forma no mundo material. Ou, se tu não acreditas nisso, muda como ela é projetada para fora de ti. A atenção dispensada nesse planejamento de como a ideia se transformará em ação retorna em energia para o ritual.

Continue Lendo

A Força, Hércules, a Bela e a Fera e J-RPG

beauty-and-the-beast-2017[1]

Os Arcanos do tarot são arquetípicos, podendo se manifestar como personagens específicos, cenas ou mesmo o tema de contos inteiros. O arcano d’A Força possui diferentes formas de representação em todas estas formas, e pode ser visto até mesmo como uma expressão do método de busca de algumas linhas magísticas. Analisaremos aqui alguns destes diversos modos que foi retratado, traçando os paralelos entre eles.

Continue Lendo

O Aparato de um Mago – Parte 2

maxresdefault[1]

Na primeira parte da série, definimos o que é um Instrumento magístico e nos focamos em dois dos principais do hermetismo, o bastão e a taça. Recapitulando, os quatro principais Instrumentos desta linha são os primeiros a serem lembrados na magia prática ocidental e são influentes mesmo em outras correntes.

Continuando, agora serão discutidas a adaga e o pantáculo. Entenderemos a simbologia por trás destes Instrumentos e suas funções mais comuns dentro da prática.

Imagem Destacada: o protagonista de Rurouni Kenshin com sua espada Sakabatou

Continue Lendo

O Aparato de um Mago – Parte 1

2558447426_41b32493c2_b[1]

Depois de entender como a magia funciona, resta a dúvida: o que é preciso ter em mãos para realizá-la? Tradições medievais falam de objetos de ouro e prata, lâminas virgens e madeira colhida no fim de uma estação à luz do luar; as africanas de cabaças, objetos de metal pesado e fetiches; as herméticas de taças, adagas e círculos repletos de símbolos intrincados. Qual é o correto?

Começamos aqui uma série para discutir os itens empregados no trabalho da magia. Analisaremos alguns dos mais conhecidos e suas simbologias, para no fim dela discurtir as funções adotadas em diferentes linhas de pensamento, as formas físicas que podem ter e como encontrar aqueles que se adequem melhor a nós.

Imagem destacada: os Instrumentos de John Dee, expostos no Museu Britânico

Continue Lendo

Palavras de Arluz

Continuando o texto da semana passada, deveríamos passar hoje para o estudo dos deuses e de suas mutações.

Contudo, durante um trabalho espiritual, fui influenciado (em mediunidade de psicografia por inspiração, isso é, recebendo o conteúdo mentalmente e transcrevendo-o) por uma entidade que se identificou como “Arluz”, e cuja assinatura poderá ser vista ao fim dessa postagem.

O texto de Arluz parece-me fantástico, e irei aproveitar o post de hoje para transcrevê-lo aos meus caríssimos amigos e leitores, adicionando a ele pequenas notas explanatórias onde acho que seja necessário – visto que o significado de algumas partes pode ser obscuro e, presentemente, acho-me (acredito) com a memória ainda suficientemente fresca para poder discorrer um pouco a respeito de seu significado.

Vamos lá !

Continue Lendo

O Que É Um Deus

war-gods[1]

Devido a uma onda de reformismo mágico, temos visto cada vez mais pessoas contatarem entidades declaradas sombrias ou maléficas sob uma desculpa interessante:

“Essa entidade foi um(a) deus(a) pagã e benéfica no passado, cruelmente pervertida e mutada pela igreja/patriarcado opressor! Não tem problema nenhum!”

Uma enorme demonstração de desconhecimento mágico e mediúnico simples.

No artigo de amanhã, exploraremos a questão das mutações divinas – quando os deuses e entidades se transformam, mudam e aparecem em novas formas. Mas, no de hoje, exploraremos exatamente o que são Deuses, Demônios, Anjos, Entidades e assim em diante – de modo a podermos entender um pouco melhor o texto de semana que vem.

Vamos lá!

Continue Lendo