Cabala Judaica #8: A Sabedoria Contemplativa (meditação cabalística)

Chokhmah Nistaroth

A expressão do dia é chokhmah nistaroth: a sabedoria contemplativa. As primeiras letras (chet e nun) formam chen, graça.

Há pouca evidência registrada sobre o funcionamento da meditação no judaísmo, exceto nos círculos fechados de estudos sobre cabala, claro. Especificamente, em grupos com linhagem bem definida. Não é exatamente segredo, é só uma daquelas coisas difíceis de explicar para quem está de fora.

Aqui vemos a cabala em sua essência:

  • Cabala (kabalah: quf, bet, lamed, he) = 137
  • Sabedoria (chokhmah: caf, chet, mem, he) = 73
  • Profecia (nebuw’ah: nun, bet, vav, alef, he) = 64

Cabala = Sabedoria + Profecia

Continue Reading

Platinorum Recomenda #2 – Deuses Americanos

Na mesma linha de Noragami, um livro sobre conflitos entre deuses – porém, dessa vez com o estilo sombrio e maduro de Neil Gaiman. O autor britânico nos apresenta um universo de divindades que precisam lutar por sua sobrevivência, pois correm o risco de serem sufocadas por novas recém-criadas e assim serem esquecidas pela humanidade.

Imagem destacada: Erik Evensen

Continue Reading

O Mito da Frequência de 432Hz

Saindo um pouco de nosso tema de sempre, hoje procurarei desmistificar um assunto que tem rolado muito nos círculos de esoterismo e new age:

A famosa teoria de que alguma organização maligna (New World Order, Illuminati, reptilianos etc.) teria mudado a frequência de afinação dos instrumentos usados atualmente, de modo a usar uma frequência de afinação desarmônica, que traz caos e violência à nossa sociedade.

Vamos a isso.

Continue Reading

Landvættir e o culto à natureza

O paganismo considera a Terra (que pode ser chamada de “Jörð” em nórdico antigo, nome também dado à giganta mãe de Þórr) como sagrada, vendo a existência em Miðgarðr como uma dádiva e voltando-se à natureza em culto. Em uma das manifestações mais básicas estão as oferendas aos Landvættir, um dos principais espíritos naturais das tradições germânicas.

Imagem destacada: Nataša Ilinčić

Continue Reading

Exemplos de Assunção Forma -Deus.

Para finalizar o texto anterior irei narrar dois fatos experimentados por mim. Ambos retirados de meus diários mágicos, vou omitir as datas astrológicas e profanas, mas o resto está tudo ai.

Exemplo 1: Assunção da Forma –Deus de Ogum para reconsagrar minha espada cerimonial.

Objetivo: Reconsagrar minha arma elemental do Ar dando a ela uma característica mais bélica. Para isso acreditei ser melhor assumir a Forma –Deus de Ogum, é uma divindade que possuo intimidade e também é de um panteão que possuo um conhecimento bom. Dentre as características busquei lembrar-me de Ogum como ferreiro, guerreiro e generoso com seus comandados. A figura de Ogum Megê-Megê serve muito bem por ser mais velho e sábio, um estrategista racional. E também por Ele ser temido pelos espíritos maléficos e mal intencionados. Qualidades essenciais para minha espada: Ar, Razão, Ser temida pelo mal.

Continue Reading

Cabala Judaica #7: sobre Cabala e Vinhos II – o diário mágico

No outro post, comparei o trabalho de aprendizado da cabala com o treinamento de um enólogo. Repito:

Mas entender isso é como treinar para ser enólogo, esses cheiradores de vinhos. Cada vinho é diferente. Cada esfera é diferente. É quase impossível associar o gosto sorvido em um cálice ao excesso de iodo no solo onde cresceu o carvalho do barril usado para envelhecimento do vinho. Mas esse iodo influencia no gosto final. E o gosto pode ser detectado. Só que ele não vai ser descrito como iodo, mas como metálico, seco, alto.

Assim é com as esferas. É impossível sentir diretamente a harmonia de Tiferet, mas é possível sentir quando nossas ações parecem se encaixar perfeitamente… “em Malkuth”, através do mundo material. Uma música bem executada, uma pintura bem equilibrada. A bola de basquete que sai da mão do jogador e todos têm certeza de que acertará o alvo.

Da mesma forma, nossos sentidos não sabem identificar corretamente as pressões do mundo emocional, mas o descrevem inicialmente com sensações semelhante associadas à onipresença das emoções, à natureza difusa da passagem do tempo, à dificuldade de locomoção, ao fato de estarmos à deriva sofrendo da vontade das outras almas nesse mundo. No caso da magia ocidental, se interpreta, predominantemente, o plano astral como água.

Continue Reading

Óðr – Inspiração e Loucura

O nome “Óðinn” deriva da palavra “óðr”, que pode significar “entendimento”, “senso”, “inspiração” ou mesmo “fúria”, “furor”. Atualmente, autores que buscaram fazer um mapeamento da estrutura da alma do ponto de vista nórdico deram o nome de “Óðr” ao seu aspecto mais elevado, o espírito e a consciência concedidos por Óðinn no momento da criação da humanidade. Este é o meu ponto de vista sobre o Óðr, a forma que ele se manifesta e como podemos entrar em contato com esse aspecto.

Imagem destacada: Nataša Ilinčić

Continue Reading

Muitas Almas, Um Só Corpo

Ao falarmos da China antiga, devemos ter em mente que a separação entre corpo e alma não era vista como algo definitivo. O corpo e a alma se conectam, trocam substâncias entre si e se influenciam mutuamente. Nesse sentido, a interpretação que passarei aqui – a das cinco almas – é aquela usada na acupuntura conforme me foi ensinada. Há outras interpretações, com números maiores ou menores de almas, mas não entrarei no mérito de discutir aquilo que não estudei profundamente.

Continue Reading