Insight Sobre o Cansaço

Quantas vezes uma boa ideia não aparece em nossas cabeças e, ao invés de seguirmos com ela, desistimos por conta daquela canseira que bate?

O cansaço é um mal extremamente comum hoje em dia. Todos estão perpetuamente cansados. Todos estão constantemente sem energia para fazer as coisas. E isso inclui desde os mais desocupados de nossa sociedade aos de vida mais intensa.

Quando aparece uma pequena oportunidade, um pequeno espaço de tempo não ocupado ou mesmo a necessidade de organizarmos nosso tempo, logo bate o desânimo, a falta de vontade, o cansaço que parece vir de dentro dos ossos e deixar doloridos os músculos e pesados os membros, assim como a Akrasia.

Falemos um pouco a respeito.

Continue Reading

Meguilat Esther, O Livro de Ester, Torah

A narrativa de Esther é um ótimo exemplo de uma lenda judaica construída no exílio da Babilônia e incorporada na forma de pensamento judaica. O leitor mais acostumado com lendas da região ou de religiões afins nota claramente o papel do Calendário na narrativa, incluindo a presença dos 3 dias de escuridão e das 4 fases da Lua.

O cristianismo, no processo de canonização da bíblia, selecionou adições ao Livro. No original judaico, é importante a quase laicidade do texto. D’us não é mencionado. O jejum é feito em nome da própria Esther. E a protagonista é a própria Esther, que articula sua libertação e a libertação de todos os judeus. Na versão cristã, o protagonismo passa a ser de Mordechai, que tem um sonho premonitório, agindo como salvador de Esther.

A narrativa de certa forma concilia o comportamento ambíguo de D’us na figura do Rei Ahashverosh, que condena o povo judeu à morte em um decreto ao mesmo tempo em que assegura ao povo judeu, no decreto seguinte, o direito de lutar pela própria vida.
heb_cal0

Algum filósofo nietzschiano poderia ainda interpretar hoje em dia que D’us ao mesmo tempo cria presa e predador. Validando o comportamento de ambos, cabe a cada um agir conforme sua natureza. A natureza do povo judeu é manter-se unido para sobreviver.

Shbaa.

Continue Reading

Kabbalah e Êxodo, de Z’Ev Ben Shimon Halevi

Cursor_e_499011-MLB20470366548_112015-C_jpg__400×400_Às vezes, o texto de Z’Ev Ben Shimon Halevi beira o virtuosismo interpretativo. O autor consegue tirar grande número de interpretações de pequenos trechos do livro de Shemot/Êxodo. Mesmo que o leitor não consiga pescar todas as referências, é ótimo exemplo do palimpsesto que é a Torah para o povo judaico.

Palimpsesto é o texto escrito sobre outro texto, em pergaminho usado. Os mitos judaicos já eram, à época do exílio na Babilônia, identificados como misturas de mitos regionais. Acher foi excomungado por dizer isso, mas não foi esquecido. Talvez os grandes rabinos soubesse que alguém precisava dizer tal verdade.

Shimon Halevi não chega ao ponto de blasfemar sobre o judaísmo, mas o bom leitor saberá que ele se refere a mitos externos durante boa parte das interpretações apresentadas na obra. O texto desta coluna “A Criação dos Quatro Mundos e suas Inconsistências” segue as ideias de Shimon Halevi sobre a criação dos mundos.

Shbaa.

Continue Reading

Finados Ancestrais

A xamã organiza o tambor e os objetos de poder de seu falecido marido, no chão de sua casa. Ela está triste por simbolizar sua morte, mas sabe que os preparativos certos permitirão que ouça sua voz. Ela o chama, por uma fraca chama de vela. Ela canta, e então um vento leve entra em sua casa: o espírito de seu amado retornou para vê-la mais uma vez.

A morte não precisa separá-la de ninguém que ela amou.

Continue Reading

Os Judeus e as Palavras, de Amós Oz e Fania Oz-Salzberger

Cursor_e_judeus_palavras_-_Pesquisa_GooglePai e filha seguem a longa tradição do debate transgeracional no judaísmo, buscando entender a relação dos judeus com o texto mesmo antes da escrita da Torah propriamente dita. O texto escrito no judaísmo é importante simbolicamente por ser fixo. Mesmo o judeu iletrado aprendeu a decorar a palavra da Torah, repetindo-a para seus filhos e netos. Essa imutabilidade da palavra escrita contrasta com a tradição do diálogo sobre a interpretação da Lei. Se a palavra é fixa, sua interpretação é viva: carrega não só o significado original, mas seu significado histórico e o significado que precisa ter para a vida do judeu hoje.

O livro se separa em 4 capítulos:

  1. Continuidade
  2. Mulheres vocais
  3. Tempo e atemporalidade
  4. Cada pessoa tem um nome; ou os judeus precisam do judaísmo?

O segundo capítulo traça uma visão não-romântica sobre o papel da mulher no judaísmo. Mulheres do povo e mulheres estudiosas de famílias abastadas. A religião institucionalizada parece ter suprimido a voz feminina (literal e metaforicamente), enquanto a religião do povo parece não ter se importando em fazer calar as mulheres.

Usando o Talmud contra ele mesmo, os sábios talmudistas registraram que “das 10 partes da fala, a mulher ficou com nove”. Poderíamos deduzir que se há um Talmud escrito por homens, há nove que as mulheres nunca tiveram permissão de escrever. É sabedoria demais para se perder assim.

O terceiro capítulo interessa para compreender a relação do judaísmo com o tempo — tempo cronológico, mítico e até mágico. As noções de início e fim dos tempos. A relação entre memória e história.

Um ótimo livro para ver como a palavra hebraica adquiriu função análoga à do código genético na sobrevivência do povo judeu.

Shbaa.

Continue Reading

Metamorfoses e a Alma Humana

Primeiramente, analisamos aspectos internos na alma humana sob o ponto de vista nórdico – sendo estes principalmente o Hügr (“pensamento”, a percepção sensorial e analítica), a Münr (“memória”, o depósito da identidade) e o Óðr (“inspiração”, a consicência elevada, analisada em artigo próprio). Agora, analisaremos dois aspectos mais externos, compreendendo também algumas crenças germânicas sobre projeção astral e mudanças de forma.

Imagem destacada: Stephanie Lostimolo

Continue Reading

Cabala Judaica: Indicações 2016

Referências para o iniciante nos estudos da cabala

Judaísmo e cabala. Dois assuntos interligados. A cabala, mesmo para os judeus que não creem em D’us, molda a tradição e o pensamento judaico. E o judaísmo, mesmo para os que operam a cabala apenas como ferramenta mágica, é chave para decifrar os símbolos e a gramática da Criação.

Separei cinco livros sobre judaísmo e cinco livros sobre as raízes da cabala, para construção de um vocabulário operacional útil ao estudo autônomo, independente, questionador da magia por trás do que chamam de cabala judaica. Vou listar os livros neste post e, a cada semana, indico um pouco sobre como ler ou o que procurar em cada uma dessas obras.

Continue Reading

Sukot e Ushpizin, hospitalidade e os antepassados

“Ushpizin” significa convidados ou visitantes em aramaico.

Estamos no final do festa de Sukot, “Tabernáculos”.

A festa de Sukot é uma celebração dos antepassados e dos tempos em que os hebreus vagaram no deserto. Uma vez era uma celebração de extrema importância no ano judaico. Hoje é lembrada, mas pouco ritualizada. Conta-se que, quando Shammai, rabino que viveu entre 50 aEC e 30 EC, soube que sua nora havia lhe dado um neto, destruiu o quarto onde ela e o bebê estavam, deixando apenas a cama intacta. Em seguida, erigiu em torno da cama uma sukah, a tenda debaixo da qual se comemora sukot, para que o neto pudesse participar da celebração de forma apropriada.

Continue Reading

O Seco e o Úmido

Seco e Úmido, RHP e LHP.

RHP. O caminho da mão direita. Chockmah, Chesed, Netzach, Malkuth.

LHP. O caminho da mão esquerda. Binah, Geburah, Hod, Malkuth.

RHP, onde se situa o cristianismo.

LHP, onde se situam a maioria das ordens dracônicas e satânicas.

E o seco e o úmido?

Continue Reading