Os passos de um Xamã – Quarto movimento: “Encontro com o animal”

IMG_3425.JPG

Ahoo! Mais uma vez, nossos caminhos se encontraram nesta jornada de conhecimento, e a fogueira já está acesa; Chegue mais perto e sinta o poder das chamas – e receba estas palavras de poder.

O Grande Espírito reuniu todo o povo Animal e anunciou que outros seres estavam por vir – um povo que andava ereto sobre duas pernas. O povo animal ficou encantado e se perguntaram sobre como deveriam se preparar; o Grande Espírito pensou e disse que o novo povo gostaria que todos os animais tivessem nomes, para identificar cada um. O povo animal não entendeu a necessidade disso, mas concordou com os nomes que o Grande Espírito havia lhes dado.

Então, tudo estaria prestes a mudar.

Parentesco

A Historia acima é do povo Salish, do litoral noroeste da América do Norte, mas reflete uma crença de que, antes do ser humano chegar à Terra, os animais é que governavam. Em algumas comunidades, como a tribo norte-americana Crow, um akbaalia (denominação para “curandeiro” neste grupo) tem um parente espiritual que pode ser um animal, como um alce, águia ou um búfalo, pois acreditam que estes animais estiveram junto dos primeiros índios Crow, e se referem a estes animais como “Pais da Tribo”. O relacionamento deste e de muitos povos nativos ao redor do mundo com seus animais, é algo muito profundo, com uma intimidade que praticamente não é vista no “mundo moderno”. Ao redor do mundo, existe uma variedade incontável de mitos e lendas sobre povos que se originaram de animais, esses que são eternizados nas histórias contadas de geração em geração, e transformados em Totens Sagrados, para protegerem seus descendentes humanos.

Respeito

Aliás, o próprio Xamanismo surgiu muito cedo em nossa evolução, quando éramos mais animais do que humanos. O mundo moderno nos separou de nossas raízes animais, exceto por poucas espécies com as quais convivemos diariamente (e que muitas vezes, forçamos a se adaptar ao nosso estilo de vida); Praticamente está perdida a conexão visceral com eles, como irmãos mais velhos e sábios.

Houve um tempo, em que o homem imitava as qualidades dos animais e hoje, ser chamado de “animal”, é sinônimo de insulto. No deserto Kalahari, na África Central, os Xamãs da tribo N’ausii, ensinam em sua tradição que os animais já foram pessoas e merecem o nosso respeito. Os N’ausii interpretam as leis animais e ensinam as pessoas como usar esses exemplos em vida. Muitos dos mitos que tratam de criaturas individuais, apresentam animais como mentores, ajudando seu irmão mais jovem, o ser humano, a ser independente no mundo.

É importante saber dedicar um tempo na relação com os animais. Afinal, se você já compartilhou a vida com um animal de estimação, certamente este animal deve ter lhe ensinado coisas ao longo dos tempos, tendo você percebido ou não; até mesmo aqueles pássaros que ficam no peitoril da janela do apartamento já devem ter lhe ensinado algo. Respeitar a vida animal e tentar por um momento, ver o mundo na perspectiva que o animal próximo a você vê, também é uma forma de acessar o Poder.

Animais de Poder

Tudo o que escrevi acima, foi para preparar mentalmente você leitor(a), a entender um pouco sobre a relação dos nativos com os animais e de como podemos aplicar isso em nossas vidas. Hoje, estamos no mundo moderno; mas ainda assim, apelamos em muitos momentos para nossos instintos de sobrevivência, nossas intuições, nosso lado mais selvagem, que ainda está dentro de nós. Esse instinto primitivo que está no fundo da alma, pode ser alcançado para que possa se manifestar em uma força animal, e descobrir o animal de poder pessoal, pode ser determinante na vida de alguém.

A tenda está em silêncio, exceto pelo canto do Yakh, o xamã. Durante o canto, ele fecha seus olhos, de modo que fiquem entre-abertos, olhando fixamente para a fogueira. Fechando completamente os olhos, ele vai a uma viagem interior.

Imediatamente, um espírito animal se revela, se aproximando do Xamã, com sua face peluda e respiração quente, e então o espírito-animal diz ao xamã: “Eu sou o seu Nagual. Tome o meu poder e seja forte. Estarei sempre à sua disposição”.

O protetor de cada um

A palavra nagual, tem origem na língua nauatl asteca e passou a designar um espírito animal que é protetor de alguém. No xamanismo ocidental, é muito comum ouvir a expressão “animal de poder”.
É importante saber que um animal de poder não é um totem animal; não representa uma pessoa específica e sua linhagem e não é um animal real, como os rogis do povo Mexicano Nähñu (para eles, onde quer que uma criança nasça, um animal nasce ao mesmo tempo nas montanhas próximas à tribo, e ambos estão ligados espiritualmente por toda a vida. Dizem que se algo acontece ao rogi de alguém, o mesmo acontece com a pessoa a qual está ligado, inclusive a morte).

Cada pessoa tem seu animal de poder próprio que o acompanha por toda a vida, seja a pessoa estando ciente disso ou não; Pode também, pertencer ou não ao habitat em que a pessoa vive: não importa qual animal se aproxima – é preciso confiar se é ele mesmo. Pode ser um que fez parte de sua infância em algum momento, ou em qualquer outro momento da vida, ou mesmo um animal que mal se conheça. Tudo bem, o fato é que é importante encontrá-lo agora.

A transferência de energia vai enchê-lo de vigor e um animal de poder consegue muito mais que isso. Todas as dúvidas, receios e medos da vida, podem ser levados ao animal de poder e este sempre terá a pessoa em grande estima.

Outra coisa que é importante dizer, é que no mundo espiritual, não existem hierarquias entre espécies de animais de poder – um rato possui o mesmo poder de um elefante. Alguns Xamãs, preferem manter sigilo sobre seus animais de poder e só revelam sua identidade a pessoas de sua confiança (lembra de meu texto anterior, quando eu citei sobre armazenar o poder no silêncio e não gastá-lo à toa com pessoas que não valem a pena? O mesmo princípio se aplica aqui).
O animal de poder existe unicamente para ajudar, curar, proteger e guiar. Lembre-se disso.

É possível sim, trabalhar com o poder e energia de muitos espíritos animais, mas o nagual de poder estará sempre presente. Há pessoas que tem mais de um, mas tendência é que um se torne particularmente especial, a ponto de ficar difícil de separar a pessoa deste espírito-animal.
Um animal de poder também pode se tornar no avatar do Xamã, quando este realiza o vôo da alma para o outro mundo. Por curiosidade, o termo nagual também pode ser usado a uma pessoa que é capaz de assumir uma forma animal, ao entrar no mundo espiritual. Os xamãs buryat, as vezes lutam contra seus inimigos na forma de seus animais, porém, se o animal sucumbir, o mesmo acontecerá com o xamã.
O assunto realmente é imenso, e ainda falei sobre isso em outras publicações; É importante dedicar um tempo para conhecer seu animal de poder. Aprender suas características e hábitos, como ele pode te ajudar e lhe entregar o seu poder. O animal de poder é parte de cada um: deve-se confiar nele sem hesitar, assim terá confiança para seguir adquirindo poder no caminho xamã.

O animal sempre está pronto, aguardando ouvir o seu chamado.

Haux!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *