A Viga Milagrosa de Ben Mendelsohn

Esta história é falsa.

1

Numa tarde em Vilna, o grande rabino Ben Mendelsohn, conhecido Shem Tov de Julz, chegou à cidade debaixo de chuva.

Parou em frente à estalagem e esperou que o dono o saísse para recebê-lo. Lá dentro, Piotr, dono da estalagem, se ocupava em organizar os hóspedes que se amontoavam próximos à lareira.

O grande rabino Ben Meldelsohn, irritado, mandou chamar o dono da estalagem, mas Piotr deu de ombros e pediu que um criado mandasse o velho à porta entrar sozinho.

Ben Mendelsohn, insultado, consentiu. Entrou na estalagem, bateu os pés no chão, fazendo cair a água de suas roupas ensopadas nos tapetes da entrada. Um criado fez sinal a Piotr, que esbravejou:

— Senhor! Não sei quem o senhor pensa que é, mas aqui vai esperar como qualquer outro hóspede. E não destrua meus tapetes. São de família.

Ben Mendelsohn arregaçou as mangas, levantou os braços em direção ao canto do teto e os balançou em círculos indefinidos:

— B’aShem Adonai Elohai Israel.

— Uma maldição! — alguém gritou.

Os hóspedes não eram fluentes em hebraico. Sabiam algumas palavras lidas sexta à noite na sinagoga. “Adonai” era obviamente “senhor”. “Israel” era clara e sonora. “Yareach” pensaram ser “lua” ou “mês”. A última palavra era a mais conhecida. Não pelo uso, mas pelo medo associado:

— … v’nachash!

Enquanto o rabino baixava as mãos como armas fumegantes, os hóspedes começaram a correr em direção à porta. Quietos e com certa reverência, até o primeiro gritar:

— Serpente!

Piotr, como o capitão que se recusa a abandonar o navio, foi o único a permanecer na estalagem além do grande rabino Ben Mendelsohn.

— O que houve? — perguntou Piotr.

— Ordenei que esta viga se transforme em uma serpente se o senhor não me atendesse.

— Por quê? — Piotr jogou as mãos para os lados, incrédulo.

— Porque eu preciso de um quarto.

— O senhor vai transformar a viga que sustenta minha estalagem em uma serpente só porque precisa de um quarto?

— Foi uma viagem longa.

— Mas quem vai querer se hospedar aqui? O senhor sozinho não pode sustentar minha estalagem inteira. Vou ter de fechar.

— Eu removo o encanto se o senhor me conseguir seu melhor quarto.

— É seu, grande rabino.

— E prepare um bom café da manhã.

— É claro.

O grande Ben Mendelsohn ergueu novamente os braços e balbuciou:

— Lo nachash! — e a viga permaneceu viga.

Na manhã seguinte, o grande rabino Ben Mendelsohn, o Shem Tov de Julz, agora também conhecido como o Shem Tov de Vilna, pode apreciar seu café da manhã servido pessoalmente pelo dono da estalagem, Piotr, enquanto ainda mais hóspedes do que os da noite anterior desorganizadamente se apertavam em frente ao balcão da entrada para ver a viga que não se transformou em serpente.

Dizem que até hoje visitantes se hospedam na estalagem do neto de Piotr para ver a viga milagrosa que, a pedido de Ben Mendelsohn, continua sendo só uma viga.

Moral da História: às vezes é mais mágico não transformar algo em serpente.

Shbaa.

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *