31 de maio, sonhos e a virada cultural de Shavuot

cabala-banner

Tikun leil shavuot. A retificação da noite de Shavuot.

Quanto mais estudamos durante o dia, mais se aprende durante o sono… Estudos contemporâneos também demonstram a importância do sono para a consolidação do aprendizado. E é possível argumentar que a cabala já dizia isso.

Claro que as explicações são distintas. A cabala aponta que o estudo durante o dia facilita a elevação da alma para que ela aprenda “nos Céus” durante a noite.

Estamos chegando ao fim da Contagem do Omer, uma preparação para a outorga da Torah. Contamos para as crianças que, sabendo que iriam receber a Torah no dia seguinte, os judeus ao pé do Monte Sinai foram dormir tranquilamente. Esse sono tranquilo foi compreendido como sinal de que o povo judeu não se importava com o que viria a acontecer no dia seguinte. Como poderiam dormir tranquilamente sabendo que o maior evento da sua fé se daria na manhã seguinte?

A tradição contemporânea da cabala explica um pouco diferente: depois de prepararem pelos 49 dias de estudo árduo e meditação sobre os fundamentos da fé judaica, todos os judeus, ao pé do Monte Sinai, foram dormir para aprender uma última lição “nos Céus”. Seria um caso fascinante de projeção astral em massa. Mas o ensinamento aqui é que: a Torah não é algo a ser compreendida “nos Céus”, é para ser compreendida para a vida em Malkuth, no mundo material.

O judaísmo estipulou, então, a tradição de “retificar” esta noite. A noite anterior ao aniversário da outorga da Torah é uma noite de vigília e estudo.

Para os que acompanham a versão mais “mágica” da Contagem do Omer, depois de se se projetar durante 49 noites tentando descobrir o segredo das esferas da Etz Chayim, Tikun leil Shavuot nos lembra que tudo culmina em algo real, aqui.

De nada adianta meditar, rezar, desdobrar se nunca agirmos sobre ESTE mundo?

Shbaa.

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *