A good time for all readers.

On this day , spring is the doors here in the southern hemisphere, so I thought it appropriate to share my thoughts about incorporating the language of flowers into rituals.

The language of flowers that I refer to in this text is floriography, the Victorian language that attributes meanings to each flower.  

While the use of flowers is not new in rites practiced by many systems, what I propose here is to add this meaning attributed the flowers in varied rites, to add the strength of this symbol to its magical construction.  

Continue Reading

Magia Prática: Da Utilização da Linguagem das Flores.

Um bom momento a todos os leitores.

Neste dia que escrevo este texto, a primavera está as portas aqui no hemisfério sul, então pensei ser apropriado compartilhar meus pensamentos sobre incorporar a linguagem das flores em rituais.

A linguagem das flores que me refiro neste texto é a floriografia, a linguagem vitoriana que atribuia significados a cada flor.  

Enquanto a utilização de flores não é novidade em ritos praticados por muitos sistemas, o que proponho aqui é acrescentar este significado atribuído as flores em ritos variados, para somar a força deste símbolo a sua construção mágica.  

Continue Reading

O Holobionte e a Practognose

Holobionte: ser vivo (teórico) formado pela soma de organismos (micro e macro) que estão em simbiose. Nós, nossas bactérias e nossos vermes.

A discussão sobre o conceito não é tanto se a teoria está correta, mas, sim, se ela é necessária. Não vale a pena simplesmente aceitarmos que consciência e decisão não são tão individuais assim?

Practognose: conhecimento prático e corporal que precisa ser acessado sem a consciência/cognição, porque é interrompido por processos cognitivos conscientes. Quem dança ou pratica artes marciais entende bem o conceito.

O termo foi cunhado por Merleau-Ponty, mas não costuma ser muito utilizado fora de estudos específicos. É mais fácil encontrar o termo “apractognose”: incapacidade de por em prática habilidades motoras, como vestir as roupas. Diferente de falta de coordenação motora ou falta de cognição, a apractognose aparece na aplicação da ação nessas habilidades do dia-a-dia, que deveríamos ser capazes de fazer sem problemas, mas que, por algum motivo, quem sofre de apractognose não é capaz de completar.

Continue Reading

O Despertar ao Amanhecer

O equinócio de primavera marca o despertar da terra e o início da semeadura. Dentro de uma ritualística sazonal, observar o início dessa estação também significa o momento em que a energia telúrica tomará seu espectro diurno e conduzirá tudo à uma postura ativa. Discutiremos as bases dos rituais sazonais e dos mistérios da movimentação natural com base nas Libações de Primavera.

Continue Reading

Venci Alexandre, o Grande, em 2010. Venço Isaac Luria este ano. Ano que vem vencerei Chopin.

Alexandre, o Grande, conquistou o ocidente e morreu aos 30 anos de idade. Venci Alexandre em 2010. Ano que vem, eu chego à idade de Chopin. É interessante pensar em como deixamos essas coisas passar sem comemorar, sem enxergar grandiosidade desses fatos.

Frederic Chopin nasceu em uma aldeia pequena da Polônia, chamada Zelazowa Wola, em 1810. Compôs pelo menos 74 Opus (obras que recebem numeração) e morreu aos 39 anos. Se compôs a primeira aos 15 anos, foram menos 3 por ano. Dizem que odiava tudo que fosse lento.

Venço esse homem ano que vem.

Continue Reading

David, o perigoso – ou como desobedecer o rei

E ele mudou sua fala diante seus olhos, e ele fingiu insanidade em suas mãos. E ele arranhou as portas e deixou a saliva escorrer em sua barba. (1 Shemuel/Samuel 21:13)

A interpretação comum é que David, com medo de ser morto pelo rei, fingiu estar louco. Se jogou contra a porta e babou. Dizem que esses gestos se assemelhariam a um ataque epilético. E, na época (como hoje), as pessoas têm medo de se aproximar de epiléticos. O rei, assim, em vez de considerar David uma ameaça, manda apenas que o expulsem do palácio.

Continue Reading

Três Formas de Tesão

A referência é meramente metafórica. Todos os envolvidos eram maiores de idade. Já naquela parte de ser “de maior” que começa a ficar triste (os 30 tão logo ali…), diga-se de passagem.

Iniciando um novo “quadro” aqui no Platinorum, em Experimentos Esotéricos compartilharei um pouco de minhas experiências práticas na área do esoterismo, assim como nosso convidado especial, Dheib, o fez.

Hoje, três formas de tesão!

 

Continue Reading