Finados Ancestrais

IMG_1443.JPG

A xamã organiza o tambor e os objetos de poder de seu falecido marido, no chão de sua casa. Ela está triste por simbolizar sua morte, mas sabe que os preparativos certos permitirão que ouça sua voz. Ela o chama, por uma fraca chama de vela. Ela canta, e então um vento leve entra em sua casa: o espírito de seu amado retornou para vê-la mais uma vez.

A morte não precisa separá-la de ninguém que ela amou.

Continue Lendo

Metamorfoses e a Alma Humana

shapeshifter_by_bonegoddess-d5nxdbl[1]

Primeiramente, analisamos aspectos internos na alma humana sob o ponto de vista nórdico – sendo estes principalmente o Hügr (“pensamento”, a percepção sensorial e analítica), a Münr (“memória”, o depósito da identidade) e o Óðr (“inspiração”, a consicência elevada, analisada em artigo próprio). Agora, analisaremos dois aspectos mais externos, compreendendo também algumas crenças germânicas sobre projeção astral e mudanças de forma.

Imagem destacada: Stephanie Lostimolo

Continue Lendo

Onde Descansa a Alma

alma4[1]

Partamos do pressuposto de que possuímos, todos, almas. Se elas se separam do corpo após a morte, então resta a questão – antes da morte, onde ficam?

No texto de hoje explorarei a constituição esotérica do ser humano, e procurarei explicar o mecanismo por detrás de algumas das “leis” herméticas e espíritas no que diz respeito ao posicionamento desses corpos durante os momentos de vigília e o que isso significa em nossas vidas diárias.

Continue Lendo

Cabala Judaica #7: sobre Cabala e Vinhos II – o diário mágico

cabala-banner

No outro post, comparei o trabalho de aprendizado da cabala com o treinamento de um enólogo. Repito:

Mas entender isso é como treinar para ser enólogo, esses cheiradores de vinhos. Cada vinho é diferente. Cada esfera é diferente. É quase impossível associar o gosto sorvido em um cálice ao excesso de iodo no solo onde cresceu o carvalho do barril usado para envelhecimento do vinho. Mas esse iodo influencia no gosto final. E o gosto pode ser detectado. Só que ele não vai ser descrito como iodo, mas como metálico, seco, alto.

Assim é com as esferas. É impossível sentir diretamente a harmonia de Tiferet, mas é possível sentir quando nossas ações parecem se encaixar perfeitamente… “em Malkuth”, através do mundo material. Uma música bem executada, uma pintura bem equilibrada. A bola de basquete que sai da mão do jogador e todos têm certeza de que acertará o alvo.

Da mesma forma, nossos sentidos não sabem identificar corretamente as pressões do mundo emocional, mas o descrevem inicialmente com sensações semelhante associadas à onipresença das emoções, à natureza difusa da passagem do tempo, à dificuldade de locomoção, ao fato de estarmos à deriva sofrendo da vontade das outras almas nesse mundo. No caso da magia ocidental, se interpreta, predominantemente, o plano astral como água.

Continue Lendo