Sugestões simples para o Yule.

Os dias 20, 21 e 21 desse mês comemora-se o Solstício de Inverno, seria o “fim do ano” de acordo com as estações. O mesmo período foi usurpado pela Igreja como o nascimento de Cristo, mas isso não vem ao caso agora.

Apesar do difícil período que se mostra, há a promessa de uma nova esperança, o Sol, doador de vida e abundância, renasce, agora é o nascimento da Criança Prometida, trazendo consigo a esperança de um novo começo e da realização de projetos.

Continue Reading

LHP e o Mito do Dragão

O mito do herói que enfrenta um dragão é usado como base para os sistemas LHP conhecidos como “magia draconiana“. Michael Kelly, autor dos livros Apophis e Ægishjalmur e fundador do grupo Order of Apep, partiu do mito nórdico do guerreiro Sigurðr para criar uma versão que refletisse os ideais e desafios para um iniciado nesta via, que pode ser chamada de “Caminho Heroico”. Faremos uma análise não apenas desta versão como também de manifestações contemporâneas do mito.

[ATENÇÃO: pode conter spoilers de O Hobbit e Game of Thrones]

Continue Reading

Uma via Draconiana

 

Supostos praticantes do Caminho da Mão Esquerda usam este rótulo apenas para suprir alguma necessidade emocional. Tentam criar uma imagem falsa de si mesmo para o mundo, buscam relevância, mostram-se como malvados e poderosos. Pobres almas… apenas estão projetando os buracos do seu subconsciente. Eu apenas digo, este é o caminho do silêncio, pois na busca da imortalidade da mente, pouco importa o que o outro pensa de você.

Continue Reading

O que caracteriza o Paganismo Germânico?

Muitas pessoas procuram as diretrizes que compõem o paganismo germânico (ou “Ásatrú“, “Forn Sed“, entre muitos outros nomes), aquilo que o estrutura e guia, e assim se voltam para as Nove Nobre Virtudes. Cunhadas na década de 1970 pelo grupo Odinic Rite a partir do Hávamál, considero-as muito gerais e universais para serem tomadas como autenticamente pagãs. Por isso, discutirei aqui o que para mim são as características principais do paganismo germânico, que o diferenciam não apenas de outras religiões como também de outras manifestações pagãs.

Imagem destacada: lemuren

Continue Reading

A VIBRAÇÃO DOS NOMES DIVINOS.

Vamos continuar a dissecar o Liber O Vel Manus et Sargitae. Vimos anteriormente a Assumção de Forma Deus e sua importância para o magista, o assunto ainda não foi completamente explorado, porém temos de ir adiante.

Lembrando o que Crowley disse:

Existem três importantes práticas conectadas a todas as formas de cerimônia ( mais dois métodos que discutiremos posteriormente ):

a- Assunção de Formas-Deus.

b – Vibração dos Nomes Divinos

c – Rituais de Banimento e Invocação.

 

Continue Reading

Exemplos de Assunção Forma -Deus.

Para finalizar o texto anterior irei narrar dois fatos experimentados por mim. Ambos retirados de meus diários mágicos, vou omitir as datas astrológicas e profanas, mas o resto está tudo ai.

Exemplo 1: Assunção da Forma –Deus de Ogum para reconsagrar minha espada cerimonial.

Objetivo: Reconsagrar minha arma elemental do Ar dando a ela uma característica mais bélica. Para isso acreditei ser melhor assumir a Forma –Deus de Ogum, é uma divindade que possuo intimidade e também é de um panteão que possuo um conhecimento bom. Dentre as características busquei lembrar-me de Ogum como ferreiro, guerreiro e generoso com seus comandados. A figura de Ogum Megê-Megê serve muito bem por ser mais velho e sábio, um estrategista racional. E também por Ele ser temido pelos espíritos maléficos e mal intencionados. Qualidades essenciais para minha espada: Ar, Razão, Ser temida pelo mal.

Continue Reading

Óðr – Inspiração e Loucura

O nome “Óðinn” deriva da palavra “óðr”, que pode significar “entendimento”, “senso”, “inspiração” ou mesmo “fúria”, “furor”. Atualmente, autores que buscaram fazer um mapeamento da estrutura da alma do ponto de vista nórdico deram o nome de “Óðr” ao seu aspecto mais elevado, o espírito e a consciência concedidos por Óðinn no momento da criação da humanidade. Este é o meu ponto de vista sobre o Óðr, a forma que ele se manifesta e como podemos entrar em contato com esse aspecto.

Imagem destacada: Nataša Ilinčić

Continue Reading

Muitas Almas, Um Só Corpo

Ao falarmos da China antiga, devemos ter em mente que a separação entre corpo e alma não era vista como algo definitivo. O corpo e a alma se conectam, trocam substâncias entre si e se influenciam mutuamente. Nesse sentido, a interpretação que passarei aqui – a das cinco almas – é aquela usada na acupuntura conforme me foi ensinada. Há outras interpretações, com números maiores ou menores de almas, mas não entrarei no mérito de discutir aquilo que não estudei profundamente.

Continue Reading

Younger Futhark e Magia Rúnica

Como dito em posts anteriores, existiram mais de um alfabeto rúnico (“futhark“) no decorrer da história, além de diversas variações regionais. Através dos Poemas Rúnicos que chegaram até nós e das mudanças nos próprios nomes usados às runas, é possível entender cada alfabeto como um sistema magístico próprio. Hoje, analisaremos o Younger Futhark  e seus usos.

Imagem destacada: série Vikings/History Channel

Continue Reading

Assunção de Forma-Deus

Existem três importantes práticas conectadas a todas as formas de cerimônia ( mais dois métodos que discutiremos posteriormente):

       a- Assunção de Formas-Deus.
       b – Vibração dos Nomes Divinos
       c – Rituais de Banimento e Invocação.

Aleister Crowley, Liber O Vel Manus Et Sargitae

A prática mágica está conectada à criatividade, arte, e consequentemente ao teatro. Muitas das cerimônias mágicas são peças teatrais muito bem articuladas, onde os participantes representam um papel importante e as falas, gestos e movimentações são de um profundo significado. Os Oficiais da Golden Dawn representavam papéis dos Deuses Egípcios em muitas das suas cerimônias.  É comum em cultos afros os praticantes serem possuídos por seus Deuses assim como em outros cultos do êxtase, apesar dos estudiosos afirmarem que, no Candomblé, por exemplo, o Orixá não é um espírito, e sim uma divindade pessoal do iniciado, representante de uma força subconsciente, de sua ancestralidade e potencialidade. Crowley, em seu Liber O, cita a Assunção de Formas-Deus como a primeira de três práticas que o mago deve ter completo domínio.

Continue Reading