O Que Está Dentro e o Que Está Fora

Aprendemos coisas impressionantes com os espíritos.

Sempre foi de minha opinião, tanto enquanto terapeuta holístico quanto enquanto pessoa, que a primeira coisa que via ao olhar para alguém era aquela pessoa em si. É óbvio, não?

Você olha para alguém, você conhece aquele alguém. Olhe lá o Cláudio. Você viu a cara do Cláudio, se você for falar do Cláudio, claro que você vai saber quem é o Cláudio, certo? Errado.

Continue Lendo

O Bombeiro de Rosh Hashanah

Captura de Tela 2017-09-15 às 16.02.46

Durante o último mês do calendário judaico, tocamos o shofar. O shofar é um instrumento de sopro, feito de chifre de carneiro. Pode ser de diversos formatos e tamanhos. A maioria das pessoas crê que o shofar é algum tipo de fetiche, objeto mágico capaz de dar poder a quem o segura. Não deixa de ser verdade. Mas, dentro do judaísmo, o shofar tem um significado mais forte e mais mundano.

Continue Lendo

E quem é você para ter a audácia de se declarar um nada?

cabala-banner

Em pleno Dia do Perdão, o presidente da sinagoga, em meio ao coro de preces que pediam pela retificação dos erros, se levantou visivelmente emocionado e confessou:

— Meu Deus! Quem sou eu? Eu sou um nada.

Logo depois, seguindo seu exemplo, levantou-se o diretor cultural da sinagoga, que também admitiu:

— Meu Deus! O que sou eu? Eu sou um nada. — voltando a sentar-se com um ar constrito.

Na sequência, o chazan, o cantor da sinagoga, levantou-se e proclamou com sua bela voz:

— Meu Deus, o que sou eu, então? Eu sou mais um nada.

Animado pela seqüência, o shamash, o zelador da sinagoga, fica de pé e confessa:

— E eu, Meu Deus, quem sou eu? Eu sou um nada.

De imediato, várias pessoas protestam:

— E quem ele acha que é para se declarar um “nada”?

Continue Lendo

Os passos de um Xamã – Terceiro movimento: “Adquirir o Poder”

IMG_2158[1]

Depois de passar um tempo distante do mundo, estou de volta. Um espírito guardião me colocou em uma batalha comigo mesmo, e então pude compreender mais sobre o Poder Xamã. Nas publicações anteriores desta série, abordei por cima o que vem a ser o início da Jornada Xamânica e a Peregrinação, que é um ato sagrado de contato com o seu mundo pessoal. Quando o iniciado “morre” para o mundo profano, e “revive” sob a missão de tornar-se um Xamã – seja ele em específico como um curador, feiticeiro, viajante, guerreiro espiritual, ou tudo isso ao mesmo tempo, ele acumula dentro de si algo que se denomina “O Poder“, e é sobre isso que conversaremos agora.

Continue Lendo

Destino, Poder e o Ser

Boa Tarde a Todos e Todas!
Hoje continuamos com nossa série a respeito de Livre Arbítrio e Destino.

Fazendo uma rápida recapitulação, no post passado chegamos à conclusão de que somos todos seres limitados, uma espécie de biomáquina ou biocomputador sem nenhuma verdadeira liberdade de ação, produtos do Big Bang – tudo que fazemos é consequência dos pequenos átomos na nossa cabeça.

MAS!

Hoje eu reviso essa ideia. Venha comigo!

 

Continue Lendo

A Trindade Draconiana: Pomba-Gira a Senhora do Desejo

The Awakening of the Will II – Copyright© 2017 Luciana Lupe Vasconcelos 

Seguindo com o segundo texto sobre a Trindade Draconiana, hoje falaremos sobre o arquétipo da Mulher Escarlate, representado popularmente no Brasil pela Pomba-Gira.

No texto anterior Exu o Senhor do Vazio, fiz uma analogia com o arquétipo de Senhor das Trevas. Agora falarei sobre o Arquétipo Pomba-Gira e como ele se encaixa na visão Draconiana sobre o Desejo.

Continue Lendo

Matemática Universal

 

Há aqueles que acreditam que tudo está determinado.

E há aqueles que acreditam que tudo depende de nós.

Entre ambos, normalmente surge um sentimento violento e incômodo.

Aqueles que acreditam que tudo está determinado têm a lógica ao seu lado, pois falam da causalidade.

Já aqueles que acreditam que tudo depende de nós, evocam que a causalidade depende de nossas ações, de nossas escolhas.

Eu digo que ambas as coisas são a mesma, e que esse sentimento incômodo de paradoxo é nada mais que uma percepção limitada da realidade.

Aprofundemos.

 

Continue Lendo