Insight Sobre o Cansaço

tired-rex[1]

Quantas vezes uma boa ideia não aparece em nossas cabeças e, ao invés de seguirmos com ela, desistimos por conta daquela canseira que bate?

O cansaço é um mal extremamente comum hoje em dia. Todos estão perpetuamente cansados. Todos estão constantemente sem energia para fazer as coisas. E isso inclui desde os mais desocupados de nossa sociedade aos de vida mais intensa.

Quando aparece uma pequena oportunidade, um pequeno espaço de tempo não ocupado ou mesmo a necessidade de organizarmos nosso tempo, logo bate o desânimo, a falta de vontade, o cansaço que parece vir de dentro dos ossos e deixar doloridos os músculos e pesados os membros, assim como a Akrasia.

Falemos um pouco a respeito.

Akrasia

A palavra “akrasia” vêm do grego antigo (“akrasia”, significando “não ter comando sobre si mesmo”). A forma mais fácil de explicarmos o que esse termo significa é dizer que é o estado em que a pessoa age contra seu próprio julgamento do que é melhor.

Por exemplo, um alcoólatra que, mesmo após se reconhecer como tal e reconhecer que sua vida seria melhor sem o álcool, continua a beber. Ou um estudante de magia ou médium que, mesmo após reconhecer que precisa e deve fazer práticas para prosseguir em sua via mágica e alcançar seus objetivos, ainda assim termina por não agir dessa maneira.

Mas como isso é possível?

Sócrates e Aristóteles discutiram a respeito desse tema. Sócrates dizia que a Akrasia não existia. Que é impossível realmente julgarmos algo como melhor do que o que temos no presente e não buscar essa coisa. Já Aristóteles dizia que há uma diferença entre as opiniões de uma pessoa, seus apetites e sua razão. Quando a opinião é de que algo é correto, mas os apetites e a razão não seguem esse julgamento, a pessoa cairá em Akrasia.

Outras soluções para esse problema incluem a possibilidade de a pessoa estar fazendo um julgamento errôneo da situação ou de haver diferentes motivações para uma ação, de modo com que a pessoa na realidade teria dois julgamentos diferentes quanto a algo — um em que considera aquele algo bom e um em que considera aquele algo ruim.

Eu pessoalmente estou com Sócrates nessa brincadeira, e explicarei a vocês o porquê. Venham comigo.

 

 

ltiplos Níveis de Existência e Querer

Como sabemos de nossos estudos esotéricos, existem múltiplos níveis de existência do ser humano – múltiplos corpos que definem vasos para a consciência e que cobram diferentes preços por serem vasos para a consciência.

Expandindo o conceito Freudiano de “Id” para além do corpo físico e adentrando a ideia de que também haja um “Id” dos demais corpos, devemos considerar que possuímos inúmeros Id. Nosso corpo astral, casa das Sensações e Emoções, possui um Id – um instinto de auto-preservação. Nosso corpo mental concreto, casa dos pensamentos concretos e da imaginação, possui um Id. Assim como também nosso corpo mental abstrato, casa dos conceitos, valores e julgamentos. E também, é claro, nosso corpo causal, assim como também os corpos espirituais superiores.

Ora pois, o nosso Id corpóreo possui uma função. Ele nos defende contra a perda e destruição de nosso corpo físico, a um nível organizacional. Não é de uma inteligência animal que vêm o Id físico, mas de um complexo conjunto de reações bioquímicas que foram selecionadas por meio da seleção natural para fazerem parte de nosso corpo físico. Assim, ao colocarmos a mão por sobre uma chama, um conjunto de ações reflexas nos nervos espinais (que sequer chegam ao cérebro) gera o ato de tirarmos a mão dali.

Esses atos inconscientes permanecem até mesmo quando estamos em coma, vegetativos ou em morte cerebral confirmada. Em outras palavras, são totalmente independentes de nossos corpos sutis, continuando a funcionar com base em bioquímica sem que seja necessário que nossa consciência habite o corpo físico.

Claro, isso não quer dizer que os corpos sutis não os influenciem e em certo nível até mesmo controlem. Isso tanto ocorre que estímulos psíquicos podem gerar atos reflexos, como no caso de quando ouvimos um som que nos traz memórias ruins e por reflexo agimos com base nisso. O mistério do pentagrama com a ponta do espírito virada para cima, demonstrando seu domínio sobre as outras pontas, pode ser usada para resumir as relações entre as reações corporais e os corpos sutis, no que diz respeito a quando esses corpos sutis estão no controle de tais reações reflexas.

 

Porém, o importante é frisarmos que existe um certo nível de ações e reações corporais que existem e agem em nós independentemente de nossa sutileza constitucional. Ainda mais, esse nível de ações e reações também influenciam e as vezes podem controlar também nossos corpos sutis. Basta lembrarmos quando nos tornamos incapazes de pensar porquê estamos com fome, ou como nosso humor varia quando estamos sob stress físico.

Aliás, talvez a forma mais comum, imediata e impactante de efeito do corpo físico por sobre os corpos sutis, por intermédio desses reflexos, sejam os Cinco Sentidos. Paladar, olfato, audição, tato e visão são poderosas formas de influência e, muitas vezes, domínio, do corpo físico por sobre os sutis.

Em verdade, esses sentidos nada mais são que uma Interface através da qual interagimos em diversos níveis (Pelo Caminho do Pensamento, Shin ; Pelo Caminho dos Conceitos, Valores e Julgamentos, Qof ; Pelo Caminho das Sensações, Tav) com o plano material que, em verdade, não guarda nenhum interesse para a vasta maioria dos seres humanos caso seu contato com o plano das Sensações (o plano astral, por meio dos Efeitos Somáticos) seja cortado.

Mas são uma poderosa interface que muitas vezes no controla. Isso pode ser entendido a partir do estudo do pentagrama cuja ponta espiritual está voltada para baixo.

O chamado pentagrama invertido. Mas evitemos entrar em muitos detalhes. Pois esse ensino é apenas o começo da lição.

 

 

Os Id de outros Corpos e os Quereres Humanos

Como sabemos, apenas ao nível Causal (Tipheret) nós possuímos um Corpo Sutil com poder suficiente para gerar Perfeição. Apenas a esse nível, portanto, e seguindo os Reflexos vindos desse Corpo, é que podemos alcançar algo que esteja além dos limites do Tempo – uma Satisfação Eterna e Perfeita. Isso é muito importante, pois todos os demais corpos sutis que possuímos podem ser satisfeitos apenas temporariamente.

Nosso corpo físico precisa ser constantemente satisfeito com alimento, ar e água. Nosso corpo das sensações precisa ser constantemente satisfeito com sensações prazerosas e leves.  Nosso corpo mental concreto precisa ser satisfeito com pensamentos instrutivos. Nosso corpo mental abstrato precisa ser satisfeito com “significado” (para o que normalmente usamos o caminho de Qof, criando ações ritualísticas para satisfazer os desejos de nosso corpo mental abstrato por sentido). E nosso corpo causal precisa ser satisfeito com Destino e Ações de Destino.

O corpo causal – ou crístico, quando iluminado – é um corpo que é composto das tramas do destino. Um nome bem esquisotérico e misterioso, mas que não possui significado muito profundo, exceto como forma de descrever algo indescritível.

Nosso corpo crístico é composto por um algo indescritível e, para crescer e amadurecer, necessita ser abastecido com mais dessa coisa, na qualidade, quantidade e frequência corretas o quão mais adequadamente desejemos nutrir esse nosso corpo. Necessitando esses corpos serem abastecido por suas matérias próprias, possuem também seus Reflexos próprios. Assim, o corpo das sensações nos traz as necessidades de sensação. De sentir coisas como proximidade, intimidade ou, até mesmo, sensações como toque e olhar.

O corpo mental concreto nos traz as necessidades de visualização. De ver coisas com os olhos da mente e de encontrar fontes para essas coisas que vão da engenharia às artes. O corpo mental abstrato nos traz as necessidades de significado, conceitos e valores, de absorver fluxos de tais coisas, normalmente pela associação com um conjunto de pensamentos concretos (como uma filosofia) que os possua em abundância. E o corpo crístico nos traz as necessidades espirituais, que aparecem para nós como coisas do destino.

Procurando satisfazer cada corpo, reagimos com os reflexos adequados. Assim, perdemos nossa Consciência, bem como nossa capacidade de ir além do mero crescimento vegetativo dos mesmos corpos.

 

 

 

O Cansaço

Todo cansaço é uma deficiência ou doença de algum corpo – seja físico ou sutil.

Se estamos com o corpo físico cansado, isso ocorre, em uma análise microscópica, porquê ele possui microlesões que necessitam ser curadas. Se estamos com cansaços sutis, do tipo que aparece para nós mesmo após uma boa noite de sono…

Bem, então estamos face a face com danos e patologias espirituais que se manifestam nos mesmos sintomas de quando estamos doentes ou cansados fisicamente.

Sim, a pessoa com fome, por exemplo, costuma procurar por comida de modo instintivo. Porém, isso apenas nos primeiros dias do jejum. Após algum tempo, seu corpo fraquejará e a pessoa iniciará um processo de hibernação e letargia que a impedirão de agir com o corpo físico – não por lhe faltar a vontade de agir, mas porque o corpo toma controle até mesmo dos elementos e corpos sutis, e assim impede qualquer ação, em um verdadeiro ato de auto-vampirismo.

Esse é o segredo de todo o cansaço. E a chave da depressão.

 

 

Na Verdade É Depressão

Basta explorarmos um pouco além da superfície.

Quando nos vêm aquele cansaço inexplicável, associado à queda das faculdades mentais e à fragilidade das emoções, normalmente com peso nos membros e uma postura de isolamento e derrotismo, quase sempre há por detrás disso um sério ferimento em algum corpo sutil. Pode ser um ferimento no corpo das sensações, que está a muito tempo sem experimentar sensações prazerosas, por exemplo. Por isso, está em estado de “morrer de fome”. Esse tipo de ferimento ocorre muito com executivos e pessoas em profissões de alto-stress e alto nível de abnegação. Resolve-se em pouco tempo, bastando que aceitem que sofreram uma “estafa” e escolham viver de forma um pouco mais prazerosa – curtindo um sítio ou coisa que o valha.

Ou pode ser algo mais complicado – um ferimento de fato (por exemplo, um pustulento buraco feito no corpo astral devido a processos mentais desordenados e obsessivos ou a presença de vermes e parasitas astrais advindos do contato com sensações pútridas e uma baixa imunidade desse corpo astral).

Pode ser um ferimento no corpo mental concreto que impeça o pensamento por conta do excesso de uso desse corpo ou, mais comumente, pelo gasto das reservas mentais sem que se dê ao corpo mental a chance de se as repor – como comumente ocorre nos “burnouts” ou “blocks” artísticos e de escritores. A solução é simples, e resolve-se consumindo matéria mental de qualidade, que possa ser processada pelo corpo mental abstrato em mais imaginação e criatividade.

Ou pode ser algo mais perigoso – um ferimento de fato (por exemplo, um pensamento de intensidade e vibração tão densas e intensas que desordene toda a mente concreta da pessoa, fazendo-a efetivamente “louca por ter visto um conhecimento proibido”).

Pode ser um ferimento no corpo mental abstrato (por exemplo quando temos fome de Atos Significativos, e sentimos que precisamos fazer algo que tenha Significado, que possua uma essência).

Isso se resolve fácil. Faça uma obra de arte. Brinque com argila. Produza artesanato para demonstrar suas visões do mundo. Ou escreva um textão de facebook para compartilhar suas opiniões e valores sobre o mundo, e depois entre em uma discussão sobre elas com outras pessoas.

Infelizmente, contudo, nesses casos a coisa costuma ser bem mais perigosa. Costumam haver nesse corpo ferimentos de facto — memórias e bloqueios excludentes de outros valores essenciais à manutenção do crescimento e da saúde mental desse corpo, por exemplo, levando a crises existenciais constantes e à depressão onde a pessoa não vê valor algum em si mesma. Normalmente isso se refere a traumas do passado, onde um Valor ficou associado a um Ato, e por conta disso tornou-se preso àquele ato e gerou uma espécie de “bloqueio” ou “infarto” de uma parte da mente abstrata, que se vê incapaz de trabalhar com valores, por exemplo consumindo-os e construindo Significado para si mesma.

Claro, podemos ter ferimentos a nível Causal, mas esses são elevados demais para que possamos fazer algo a respeito deles sozinhos. É necessário o trabalho de seres que possuam mais competência que nós mesmos.

Sim.

Todo Cansaço é uma manifestação de Depressão. E toda depressão se manifesta com o nítido sintoma de Cansaço – esteja ele se somatizando no corpo físico, ou esteja ainda apenas nos corpos sutis, como, por exemplo, quando nossa capacidade mental vai declinando aos pouquinhos.

E isso não é tudo…

 

 

Somos Todos Muito Deprimidos

Mesmo aqueles de vós que estão lendo este texto e se acham normais estão, com quase toda probabilidade, deprimidos a algum nível. Não porque estejam clinicamente deprimidos, mas porque o Ser Humano, ou melhor dizendo, os seres humanos de nosso orbe, estão em determinado nível deprimidos. Basta ver aqueles de nós que estão um pouco além dessa depressão.

Sábios, profetas e gurus que conseguem passar dias sem dormir, descansar ou se alimentar. Passam pelos eventos da vida que normalmente tornariam as pessoas inúteis e letárgicas por alguns momentos, e que mantêm a Clareza de Pensamento, dentre outros, intactos. Isso, porque todas as Necessidades dos corpos Inferiores podem ser supridas com o correto uso da materialização de fluidos dos corpos superiores.

–  As necessidades espirituais podem ser supridas com fluxos vindos de seres além-humanos.

– As necessidades mentais abstratas podem ser supridas com fluxos vindos do espírito, e se materializando como a sensação de Ser e Existir independente de qualquer Ato, Sensação ou Pensamento.

– As necessidades mentais concretas podem ser supridas com fluxos vindos dessas sensações Abstratas e valores.

– As necessidades sensacionais podem ser supridas pelos pensamentos que gerem fortalecimento e flexibilidade do corpo astral.

– E as necessidades físicas podem ser supridas pela direta materialização das corretas sensações, que se tornam efetiva Matéria e Forças.

Essa cadeia de materializações, é claro, não exclui a possibilidade de experimentarmos os mundos sutis ao nosso redor.

Não é porque achamos um correto estado mental concreto e graças a isso não precisamos mais de toque genital, por exemplo, que não podemos experimentá-lo e termos prazer nele. Mas é graças a isso que podemos de fato Aprender e Crescer no mundo sem sermos presos pelas Necessidades, pelos Id’s dos nossos Corpos Sutis.

Assim podemos aprender a Querer sem necessariamente Precisar.

 

 

Mensagem Final

Espero, com isso, ter podido passar aos meus caros leitores o Insight que tive, durante uma sessão do daime, com relação ao que significa sentir-se Cansado.

Sentir-se cansado significa estar doente em algum lugar. E se não quisermos perder tempo sentando e esperando nossos corpos se curarem, devemos aprender a nos curarmos dessas doenças. E se estamos presos em um Cansaço Crônico, isso significa que estamos com alguma Doença Crônica, seja no físico, ou, mais comumente, nos planos sutis.

Muitas vezes desistimos de nossas boas ideias, de nossas boas motivações e até de nossa espiritualidade porquê simplesmente estamos cansados. Porque, mesmo caso estejamos em boa posse de nossas faculdades mentais, isso não significa que estejamos corretamente alinhados com nossos espíritos em um pentagrama elevado.

Não.

Significa que, estando cansados, estamos sendo Dominados por alguma Necessidade de algum corpo sutil – por exemplo, necessidade de cura do corpo físico, ou alguma Sensação, Pensamento ou Sentimento.

Àqueles que são menos adiantados no caminho, analisar isso lhes dirá o que devem procurar adicionar às suas “dietas” de vida para obter mais força, felicidade, disposição e capacidade de realização. Àqueles que são mais adiantados, analisar isso lhes dirá quais entidades Curadoras devem buscar, ou, caso saibam curar a si mesmos (ainda que isso não seja muito indicado, afinal, você está sendo dominado por suas necessidades e isso provavelmente lhe trará dificuldades em curar a si mesmo), o que devem curar.

O cansaço é um pentagrama invertido. Quem entender esse mistério, que o corrija e eleve novamente o seu espírito acima da prisão de seus reflexos, reafirmando sua Vontade.

E a akrasia?

Bem, akrasia é meramente isso. Saber o que é o certo e escolher ainda assim fazer errado. Akrasia é estar cansado. E estar cansado é estar deprimido. Que é estar doente. A akrasia não é a falta da força de vontade, ou a fraqueza da vontade. É a falta da saúde dos veículos pelas quais ela pode se manifestar.

Respondendo a Sócrates, se me permitem a ousadia de fazê-lo, sim, akrasia existe. Pois o homem pode achar que algo é certo e ainda assim escolher o errado. Porque o homem pode ser dominado por seus reflexos e assim escolher tirar a mão do fogo – mesmo se esse for um fogo sagrado que lhe trará muitos benefícios em troca de um leve queimado.

Posts relacionados

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *