Onde estamos?

É sempre difícil enxergar todo o caminho quando estamos bem no meio dele.

Em uma das muitas versões sobre a sabedoria de Salomão, conta-se que um viajante muito muito rico pediu conselho ao Rei Salomão sobre como fazer um anel para si. Qual inscrição seria perfeita para fazer em um anel perfeito. Uma frase tão verdadeira que traria sabedoria em todos os momentos da vida, não importando o quão bons ou ruins fossem, e não importando onde ele estivesse, em sua própria terra ou em países distantes.

O Rei Salomão sugeriu a frase “Gam zeh ya’avor“, isso também vai passar.

Gam zeh ya’avor

“Isto também vai passar” é abreviado pelas letras Gimmel, Zayin e Yud e pode ser visto em uma forma ou outra em diversas jóias cabalísticas.

Gimmel

Quem estuda cabala enxerga no Gimmel um rico correndo atrás de um pobre. Por quê? A cabala não vê nada demais em um rico dar dinheiro a quem lhe pede. É dever de quem tem mais procurar aqueles que têm menos para ajudá-los e reparar o mundo.

Em Gimmel também vemos a imagem de um camelo. Camelo simboliza riqueza e saúde no meio do deserto. 

E em aramaico, temos a palavra associada Gamla, ponte. Gimmel é uma letra que traz ligação ativa, a busca pela ligação, pela união.

Nas histórias sobre Rabi Akiva, dizem que a esposa de um oficial romano tentou seduzi-lo, ao que ele respondeu com três gestos: cuspiu no chão, riu de alegria e depois chorou. Afirmou que a letra Gimmel lhe permitira ver além da tentativa de sedução da mulher e com isso ele cuspiu como demonstração da vileza do gesto de traição, chorou por ver que a beleza física da mulher se transformaria em pó como todo corpo físico e riu por ver que ela um dia seria sua esposa.

Zayin

A história da letra Zayin nos lembra que todos precisamos ter inteligência e sorte. 

Um pobre e atrapalhado mendigo da cidade ganhou na loteria. Perguntaram para ele como ele havia feito, e ele respondeu que pediu ao rabino o número mais sortudo da cabala. Apostou então em 7, do Zayin, depois 7+7 (14) e 7×7 48. E foram esses os números que a loteria sorteou.

– Mas 7×7 é 49 – vocês vão me dizer.

Sim, esse é a parte da sorte.

Yod

O número 10 e a mão esticada, o braço estendido. O Yod indica ação e também a energia mais interna que um dia vai se transformar em ação.

Yod é a última letra na sequência unitária (alef 1, bet 2, gimmel 3, dalet 4, he 5, vav 6, zayin 7, chet 8, tet 9, yod 10) e a primeira das letras na ordem das dezenas (yod 10, kat 20, lamed 30, mem 40, nun 50, samech 60, ayin 70, peh 80, tsade 90, qof 100).

Yod une o início e o fim de ciclos de magnitudes diferentes.

O calendário virou o ano, estamos agora em 2021 e ainda no meio de um percurso longo. Vemos muitas pessoas dizendo que sabem o que vai acontecer, ou até mesmo que tudo já passou. Mas ainda assim estamos no meio de um desafio. Meu desafio. Teu desafio. Nosso desafio. Desafios diferentes em cada caminho.

Seja como estiverem sendo estes últimos meses ou como planejamos os próximos desse ano que começa, saibamos que “Gam zeh ya’avor“, isso também vai passar. 

É importante lembrar que as pontes que construímos vão, de agora em diante e para sempre, também ser parte do caminho.

Ou como dizia Quintana: 

Se as coisas são inatingíveis… ora!
Não é motivo para não querê-las…
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas!

Na dúvida, deixa eu lembrar vocês de um segredo: https://platinorum.com/2018/01/15/o-ultimo-spoiler/

Você também vai gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *