O Degredo Acabou

Recebi o seguinte texto de um espírito amigo que se prontificou a passá-lo aos demais. Boa leitura e espero que ele seja útil.

obs: Imagens por minha conta 😉

Eu avisei

Foi em 1904 que o ocultista Aleister Crowley (Edward Alexander Crowley) disse que “o tempo dos segredos acabou”.

Segundo ele, um “novo Aeon”, isso é, uma nova Era da humanidade estava começando.

Foi pouco depois, antes da primeira guerra mundial (iniciada em 1914) que os espíritas, segundo André Luiz no livro “Nosso Lar” (psicografado por Chico Xavier) disseram que “um tempo de grandes mudanças está por vir” e que a humanidade passaria pelo teste final de deus para sua evolução.

Looking good babe. Wanna hang out?

O movimento Hippie de 1960 trouxe a ideia de uma “Nova Era”, a “Era de Aquário”, significando que, pela precessão dos equinócios, Aquário seria o signo presente na primeira hora da manhã de todos os dias a partir de uma certa data.

Quase cem anos depois, já mortos a muito todos os proponentes sérios de uma teoria sobre a mudança da nossa Era planetária, um amigo de Chico Xavier deu entrevista à Revista Espírita falando sobre uma conversa que teve com o médium. Em 2011 o mineiro Geraldo Lemos disse que, mais de cinquenta anos atrás (em 1986), o médium Chico Xavier disse que as forças divinas em cargo de nosso planeta deram à humanidade uma “moratória” de 50 anos, nos quais teríamos um período de paz onde as nações teriam de aprender a se aturar e aceitar.

Por quê?

Porque a Segunda Guerra foi um desastre.

Vamos ir mais fundo nisso.

Vamos fazer a américa a alemanha grande novamente.

Degredos, Evolução dos Mundos e Astrologia

Já a muito que a humanidade ouve falar de momentos onde o mundo “acaba” e depois “renasce”. Pode-se considerar isso uma visão baseada em extrapolação do que ocorre com os próprios seres humanos – vida, desenvolvimento e morte.

Contudo, também podemos considerar que seja um conhecimento um pouco superior – com suas peculiaridades.

Em 1857, Allan Kardec (Hippolyte Léon Denizard Rivail) lançou o Livro dos Espíritos. Nele, os Espíritos guias da obra afirmavam que os mundos humanos tinham “níveis” de Evolução (ou melhor dizendo, Desenvolvimento, já que “evolução” é um termo bem ruim aqui) espiritual.

Haveriam ao menos sete níveis de desenvolvimento espiritual – os mundos de primeiro nível seriam mundos onde a própria consciência/espírito planetário estaria ainda se formando a se adaptando à existência física.

Espírito Planetário? Veremos isso mais adiante. E não, não são os Espíritos Planetários da Astrologia Hermética.

Pois bem. Os mundos de Segundo Nível seriam aqueles onde a Consciência do “orbe” planetário se colocaria mais desenvolvida – sendo seu desenvolvimento obtido por meio de um sistema de adaptação às “leis divinas” (leis vindas das divindades que mantém nossa realidade física) onde ou se “evolui” ou se “morre” no sentido de “tudo acaba em destruição e você é mandado de volta ao começo pra tentar de novo”.

Semelhanças com o desenvolvimento espiritual humano e o sistema de Karmas e Dharmas? Pois é, planetas também estão sujeitos a isso.

Mundos de terceiro nível já seriam mais desenvolvidos e apresentariam vida inteligente complexa – como a nossa humanidade.

Contudo, o que importa aqui para nós são os mundos de quarto nível e o que significa estar ali.

A República Popular de Nosso Lar lhe chama companheiro!

Mundo de Quarto Nível

Todos os planetas do nosso Sistema Solar são habitados por inteligências – seres espirituais mais ou menos próximos da humanidade e que podem ser contatados a partir do plano espiritual.

Indo às “bolas espaciais” em Projeção Astral é possível a um projetor encontrar essas sociedades, assim como é possível encontrar sociedades espirituais diversas no nosso próprio planeta – os mundos de encantaria, os mundos espirituais humanos, etc.

Contudo, a totalidade do “orbe” – isso é, do enorme campo consciencial e espiritual que dá sustentação à existência de certos seres espirituais nele – tem seu próprio nível de desenvolvimento espiritual.

E esse nível significa algo para os seres ali – o significado é que há seres que são alimentados e promovidos pelo orbe, aqueles que são oprimidos, e aqueles que são deixados neutros.

Quando um orbe passa de um nível para outro, muda-se tudo isso. O orbe passa a alimentar, proteger e nutrir em todos os níveis (mental, espiritual, emocional, físico) seres com características mais próximas daquelas que ele mesmo apresenta.

Assim, o nosso Orbe (chamado aqui de Terra), por exemplo, costumava alimentar pessoas que apresentavam afinamento com o que chamamos da energia do “poder”.

My name is power, my being is power, my c*ck is power!

Seja por seu próprio mérito em manter consciência e maestria dentro dessa energia, seja por serem dados essa energia por um certo posto dentro de uma organização ou inteligência/ser desse universo, aqueles que tinham poder tinham o “favoritismo” do orbe – seus corpos físicos tendiam a se manter saudáveis independente de qualquer coisa, atacá-los espiritualmente era difícil e normalmente voltava contra o atacante, seus corpos emocionais se mantinham estáveis e seus corpos mentais afiados, claros e capazes.

Aqueles que faziam maior uso disso conseguiam desenvolvimento espiritual extremamente rápido e gratificante. Aqueles que só se alimentavam parasiticamente disso tendiam a perder o poder aos poucos, mas mesmo essa perda era muito lenta e gradual – muitas vezes demorando várias vidas para se perder totalmente e a pessoa voltar à sua vibração original.

Boo yah!

Por isso sempre foi quase impossível atingir líderes (desde o mais ridículo Vereador ao mais estimado Presidente ou Ditador) por meio de magia, ou vê-los sofrendo com os “problemas da massa” – como doenças e consequências imediatas a seus atos.

O planeta simplesmente os alimentava e protegia, pois estavam eles junto do nível consciencial do planeta em si – o planeta era um planeta de “poder”, onde ele estava no topo e os demais eram seus “vassalos” que recebiam seus favores.

Mas isso mudou.

O Orbe Evoluiu

Por meio de adaptações às leis divinas (de onde o termo “evolução” se aproxima do que de fato acontece, se adicionarmos aqui a ideia de que um planeta “morre” e “renasce” várias vezes como seu próprio descendente), o nosso Orbe alcançou uma elevação consciencial.

Todas as suas zonas espirituais, mentais, emocionais, energéticas e até a física estão se conformando a esse nível de consciência e visão. O planeta não mais alimentará o Poder, e aos poucos se direcionará a alimentar o Sentimento.

Esse, como todo processo de desenvolvimento espiritual, é um processo gradual – mas que tem marcos muito específicos.

Pensei em colocar aqui um guia de maturidade humana pela avaliação dos órgãos genitais, mas ia ser muito…. segundo nível.

O Marco Espiritual

Os seres espirituais mais elevados que habitam um Orbe mudam bastante quando certo nível de desenvolvimento é alcançado. Assim como em um determinado ponto um elétron recebe uma carga de energia e pula para o outro nível, também os planetas em determinado momento de seu espectro evolutivo dão esse “salto final”, que por fim muda tudo.

O Marco Espiritual do desenvolvimento espiritual do planeta Terra se deu a aproximadamente 3500 anos, durante o final da Era de Áries, quando os Impérios Humanos chegaram ao nível onde os seres que se diziam “enviados dos céus” e “dados poder por(pelos) deus(es) para governar” assim obtinham de fato esse poder.

– Os céus me mandaram para governar vocês!

– Mas você chegou aí matando milhões!

– Os céus.

Foi a época onde vimos o mundo se organizando pela Conquista e pela Lei do Mais Forte. Aquele que obtinha os Favores do Mundo obtinha seu poder e alimentação, e só respondia à consciência planetária e nada mais.

Esse foi o momento de Empoderamento Espiritual do nosso orbe, onde sua consciência se tornou capaz de reconhecer a si mesma como um ser de Poder e Completo.

POR CRISTO! (e pelo dinheiro também).

O Marco Mental

Foi durante os anos 1200 que nosso Orbe chegou ao ponto de seu desenvolvimento mental. Ali, alcançou o pico de sua consciência de si, obtendo uma “personalidade” definida – nosso mundo seria um mundo de “provas e expiações” e os “eventos randômicos” da natureza começaram a tomar formatos de “mensagens” do mundo para todos verem.

O planeta começou a “falar em uma só voz”, e isso se demonstrou no alinhamento do mesmo com uma série de eventos “convenientes” para o desenvolvimento do mesmo. Na Humanidade, vemos aqueles que sabiam se utilizar das Leis Planetárias quase que controlando os eventos naturais – onde era interessante que houvesse prosperidade, havia prosperidade. Onde era interessante que houvesse arte, havia arte. E raramente um império humano caía por eventos naturais quando sua administração tinha poder de fato.

Podemos atribuir isso ao inverso – porquê os humanos tinham poder, os eventos naturais não os destruíam. Mas a instrução que temos a passar é que essa é a ordem de Causa-e-Efeito – nosso Mundo tornou-se Consciente de Si a nível mental nessa época, e seus “pensamentos” e “interesses” mudavam as ondas da história.

Olha nos meus olhos. Os de cima, porquê o de baixo perde a guerra.

O Marco Emocional

A partir de 1800 houve o Marco Emocional do desenvolvimento espiritual de nosso planeta. Aqui firmou-se a expansão do Poder e dos sistemas de Poder por todo ele, e uma “teia” de poderes foi criada. O mundo, com sua mente e espírito alinhados, começou a espalhar suas ondas astrais e seus veículos energéticos por toda sua extensão.

Não mais espíritos locais, como espíritos familiares ou deuses de montanhas e rios, tinham tanto poder quanto antes. Os motivos de sua fúria ou satisfação eram claros – de acordo com as Leis do Orbe.

Para quem perdeu as aulas de geometria

O Marco Físico

Foi em 1845 que o planeta alcançou o marco físico de seu desenvolvimento espiritual dentro de um mundo de terceiro nível (que os integrantes do movimento Nova Era chamam de “terceira dimensão”, para minha fúria matemática) – o mundo alcançou o primeiro passo da globalização física, e se firmou como um ser capaz de mudar a si mesmo segundo sua Vontade, Pensamentos e Emoções.

Nessa época todas as coisas físicas se tornaram especialmente ligadas às flutuações planetárias, e antigas formas de magia – como a astrologia, talismãs, encantos e invocações – se tornaram “coisa do passado” e “superstição”.

A menos que estivessem alinhadas com o sistema de Poder em voga no orbe, nenhuma manifestação de magia física podia ser obtida. Já em 1930 Chico Xavier receberia a mensagem de que os espíritos não mais produziam efeitos físicos tão frequentemente porque “não era mais necessário”.

Pois bem, de fato não era. O próprio orbe se encarregou de realizar tudo que era necessário a partir de seu Marco de Desenvolvimento Físico – doenças, catástrofes ou milagres, tudo seguindo sua Vontade.

Tá, entendi. Vou ficar aqui nessa ilha por um tempo, mas vocês voltam né?

O Degredo

“O pico do Yin traz o começo do Yang”.

Um mundo de Prazer, como era o planeta antes da Era Histórica Humana, vivia em um estado de Retração, Secretividade e Prazer. Era um mundo onde hedonismo era a regra, e onde hedonistas eram alimentados.

Era também um mundo onde os Mestres do Prazer obtinham grande capacidade e alimentação telúrica/planetária.

Os antigos Ritos Sexuais e Tântricos do passado distante, assim como a “era da deusa” enquanto um ser sexual e alegre ocorreram antes de 1500 A.E.M (antes da era moderna).

E como ocorre com todos que passam do Prazer para o Poder, o mundo instintivamente recusou essas manifestações, nas quais tinha já Maestria, quando adentrou a Era do Poder.

Da mesma maneira, quando alcançou a Maestria do Poder, o Orbe deu seu último Passo em direção a se tornar um mundo de quarto nível – saiu do estado onde se encontrava e passou ao estado de Mundo de Transição.

Eu me esforço muito, por isso mereço! – Diz o cara que precisa justificar a própria riqueza com um argumento emocional sobre justiça.

Mundo de Transição

Um mundo de transição nada mais é que um orbe que se encontra no processo de abandonar o antigo para se firmar no novo. O processo de abandono do antigo sistema e forma de existência do planeta começou pouco depois de seu marco físico, em aproximadamente 1910.

Nesse processo, o Poder começou a ser deixado de lado em direção ao Sentimento – e com o Sentimento vem o Sentimentalismo, o Orgulho e outras manifestações infelizes do que chamamos de “quarto chakra” nos humanos, isso é, o centro emissor e receptor de emoções e energias relacionadas a “sentimentos”, em humanos localizado no centro do peito.

Claro, o Orgulho em si é uma manifestação que aparenta, em nosso tempo, estar ligado ao Poder. Mas isso só ocorre quando está havendo uma transição do Poder para o Sentimento.

A sensação do Poder é a de Dever. O Orgulho e as “quedas em depravação, corrupção e perversão” que ocorrem com o aparecimento dos Orgulhos, Vaidades, Arrogâncias e similares são ativações simultâneas de Poder e Sentimento, um alterando e pervertendo o outro.

“Eu não tenho nenhuma obrigação por ter poder vindo a mim por ter nascido onde nasci. E também não preciso me preocupar com os sentimentos e sofrimentos dos outros – afinal, concordamos que o justo é que cada um tenha sofrimento e o prazer segundo os resultados que tem pra mostrar, e não por ser um humano.

Os anos 1900 e o começo dos 2000 foi o exato período onde isso foi mais intenso e degradante – onde o mundo alcançou seu pico de Orgulho e Hubris.

Vejam aqui que não falo dos humanos. Falo de nosso planeta – nessa era os humanos dentro dessas vibrações foram alimentados, mas sempre existiram grandes grupos de humanos nesse nível em nosso planeta – eles apenas tendiam a morrer mais cedo e não alcançar prosperidade.

Isso é um mundo de transição – um planeta onde o velho e o novo encontram-se influenciando um ao outro, nenhum dos dois claramente acima um do outro.

O cabeção é pra puxar mais energia pra fazer merda.

Influência Humana

Os seres humanos estão dentre a classe de seres (a mais baixa dos espirituais e a mais alta dos físicos) que mais alteram e interagem com a Consciência Planetária de nosso Orbe.

Sendo alimentados pelo estado de Transição do Orbe, e se alinhando com especial força e furor a ele, a humanidade encontrou nesse momento de Transição um momento de reforçar e potencializar as perversões do planeta em si.

Chamem de “ações das trevas” ou “anjos caídos” se quiserem. Os portais do Abismo se abriram por muitos motivos, e os seres foram muitos. O importante é que encontramos, na ação humana, dois grandes momentos onde o orbe se encontrou paralisado em seu desenvolvimento espiritual – a primeira grande guerra e a segunda.

Esse “grande crime” humano era esperado e jamais foi cobrado como algo extremo. Um mundo com o típico desenvolvimento espiritual da Terra normalmente produz isso, e é tão responsável por seus momentos de estagnação espiritual quanto aqueles que o atrasam.

O importante, contudo, é que as forças e inteligências que observam e interferem no desenvolvimento espiritual de cada Orbe sempre acabam interferindo no processo.

Os dois grandes eventos humanos tornaram muito possível a ação de um terceiro – esse que de fato tornaria o orbe incapaz de avançar por pelo menos mais uma Era. A assim chamada “terceira guerra mundial” ou “guerra nuclear”.

Por que isso? Porquê com esse evento seria possível retirar a consciência planetária de seu Centro de Poder, de fato ameaçando mutilá-la o suficiente para que todo o processo dos últimos 2000 anos fosse perdido – não no sentido de que o mundo teria de “redescobrir” o que já tinha aprendido, mas que teria que “curar” o que fosse destruído.

Basicamente, a terceira guerra ia ser um bando de humanos cortando a cabeça do “rei” Planeta terra. Só que ia morrer quase todo mundo no processo. Não que a Revolução Francesa tenha sido muito diferente disso…

Daí que houve influência extrema de inteligências externas nos anos seguintes à Segunda Guerra.

Essa influência se mostrou em eventos governamentais, naturais e outros. O “véu” imposto nos efeitos físicos da magia se tornou ainda mais duro, e todos foram em grande parte proibidos. Aqueles que encontravam brechas no “véu” rapidamente encontravam um desencarne seguido de repressão.

Novamente, algo comum e esperado.

Sacaninha

A Definição de Vishnu

Uma das poucas egrégoras que conseguiu passar pelo processo de desenvolvimento consciencial do planeta sem se perder no caminho foi a egrégora Hindu.

O papel de uma egrégora perante os deuses é a de ser seu receptáculo e base para sua manifestação mental, depois descendendo e permitindo outras formas de manifestação.

Ainda que outras egrégoras humanas tenham já passado por seus “finais de mundo”, a maioria no astral, a egrégora hindu aproveitou-se dos últimos trinta anos de depravidade e agitação social para determinar o final do seu “fim-do-mundo”. E foi extremamente bem sucedida.

Com a chegada dos avatares de Kalki, Kali, Shiva e Lakshimini (esta última ainda a vir), o planeta recebeu os impulsos necessários para que sua consciência saísse do estado “congelado” onde se encontrava e completasse o final do processo de Transição – alcançando então o estado de orbe de quarto nível.

Aqui vale dizer que os avatares que vieram foram muitos – “pequenos avatares”. Contudo, os “grandes avatares” que de fato receberam maior alimentação energética dessa egrégora chegaram a esse planeta a mais ou menos um ou dois anos (estamos em 2020).

É crescente o ódio pelo poder alheio, principalmente o institucionalizado. Isso ocorre em grande parte porquê o discurso para justificar esse poder é o da “justiça”. Contudo, mais do que isso, qualquer um com poder é sempre alvo de ódio e oposição só por ter poder – enquanto em outros tempos seria admirado ou temido.

O Degredo

Agora, uma questão: O que ocorre com os espíritos em um Orbe quando ele passa para um novo nível consciencial?

Como dito anteriormente, um orbe (ou qualquer ser, na realidade) que mude de um nível consciencial para o outro tende a produzir uma rejeição imediata do nível anterior – coisa que só muda nos assim chamados “mundos de quinto nível”.

Assim, com o orbe chegando ao quarto nível (houve uma tímida tentativa de “pular” esse nível e ir direto ao quinto, o que daria certo mas não foi adiante), os espíritos, inteligências, estruturas e constructos diversos que se encontravam muito fixamente firmados nas energias de Poder e Dever seriam absurdamente oprimidas e reprimidas pelo Orbe.

Assim como ocorreu com os seres e inteligências relacionadas ao Prazer a alguns milênios, a partir desses anos de agora podemos esperar que tudo que seja relacionado a Poder seja oprimido e reprimido.

Ocorre, contudo, que certos seres possuem em sua constituição espiritual uma afinidade natural ao Poder e ao Dever. Esses seres seriam incapazes de progredir ao estado de Maestria e obterem o desenvolvimento para o próximo nível caso permanecessem aqui.

Assim como aqueles com afinidade natural com o Prazer tem encontrado desgraça, doença, marginalização, miséria e outras formas de Tormento desde o começo da era do Poder, também aqueles afinados com o Poder começariam (e começarão) a passar por esses processos.

Assim, alguns desses seres mais estagnados e que ainda não alcançaram maestria foram expulsos do campo consciencial de nosso Orbe, ao mesmo tempo em que outros foram “gentilmente” (aos berros) recolhidos por inteligências, seres ou espíritos de outros lugares para serem “realocados” (degredados/exilados) para outros Orbes, onde teriam a chance de colocar em prática sua Afinidade ao Poder e alcançar a Maestria necessária para, eventualmente, retornarem a esse orbe em que nos encontramos como pessoas capazes de desenvolverem o Sentimento sem terem de ser atormentados por cargas homéricas de sofrimento simplesmente por serem o que são.

Nesse processo, alguns outros casos foram colocados “no balaio”, incluindo alguns que não necessariamente precisariam ser degredados mas foi conveniente que fossem – cada qual com suas perversões, não é mesmo?

Josivolnelson, terceiro na linha de sucessão do trono das trevas baiano e um líder natural, ao ser “convidado” a “se relocar a outro orbe”.

O Fim do Degredo

Todo Orbe possui uma espécie de “magnetismo”. Na realidade, os seres espirituais que vem a um orbe precisam se “revestir” de suas energias para formarem suas próprias Mentes, Corpos Sutis, Corpos Energéticos e Corpos Físicos.

“Do pó viestes, ao pó voltarás” ?

Pois bem, a maior parte das mentes, corpos astrais, corpos energéticos e quase todos os corpos físicos dos seres presentes nesse planeta advém da própria energia e “matéria” presente nele. O que sobra da maior parte dos seres que aqui se encontram, se retirada a matéria e energia do orbe, é risível. Tão pequeno que a maioria sequer sentiria a diferença se perdessem.

Assim o é que, portanto, quando o orbe está em processo de Transição, é fácil destruir os Corpos Sutis e Mentes daqueles que serão degredados. Mas quando o orbe se “firma” em um determinado nível, isso se torna especialmente difícil.

A “matéria” e “energia” que constitui os seres desse Orbe se tornam especialmente “magnéticas”, isso é, difíceis de se destruir.

Nos últimos dois séculos, mais ou menos, foi especialmente fácil “ovoidizar” (isso é, destruir até a quase completude) os espíritos e seres espirituais desse orbe. De agora em diante esse processo se tornará especialmente difícil, em alguns casos até mesmo impossível.

Daí que o Degredo foi possível – a retirada dos seres que aqui se encontravam com afinidades espirituais desreguladas e pouco interessantes para o planeta foi feita em parte por meio de ovoidizações, em outras por desconstruções astrais diversas, e assim em diante.

A imagem de um grupo de alienígenas vindo pegar um monte de “espíritos sofredores”, colocá-los em pequenos “discos voadores” e levá-los a outros mundos como são… é bem didática e amigável. Um eufemismo bonito.

Bem, passemos adiante.

Yeeeeeiii!

Astrologia, Finalmente! E outras coisinhas também.

Lá atrás falei de astrologia, nova era, thelema e egrégoras diversas que lidaram com o “fim do mundo”.

Pois bem. A astrologia é um bom “relógio” para se ler os fluxos energéticos de um mundo. Houveram diversas formas de astrologia em diversas civilizações do mundo por um motivo simples – todas estavam corretas única e exclusivamente para o lugar onde foram criadas.

A astrologia medieval europeia tem quase eficácia nenhuma no Brasil. A astrologia chinesa, menos ainda.

Por quê?

Porque astrologia é usar a observação dos céus para medir os fluxos energéticos telúricos e solares de nosso orbe.

A consciência do orbe, seus processos de desenvolvimento espiritual e assim em diante, estão todos intimamente ligados a ciclos e marcos. E com influências espirituais como as que garantem e observam o desenvolvimento espiritual de um ser totalmente não-humano como um planeta, esperamos que esses ciclos sejam bem previsíveis – como de fato o são.

Assim o sendo, muitos confiam em astrologia hermética hoje em dia. E em certo nível ela funciona – apenas porcamente.

As leituras astrológicas baseadas na europa marcam muito bem o que está acontecendo naquele continente hoje em dia. Mas muito pouco do que está acontecendo na América do Sul.

Tira o que você disse! Tira agora!!! – hermetistas brasileiros que planejam absolutamente tudo que fazem (especialmente seus rituais) em astrologia européia.

Para uma astrologia brasileira é necessário consultar espíritos especificamente interessados nisso, coisa que esse autor aqui não o é. Então deixemos mais para frente.

Dito isso, mesmo que em diferentes regiões do mundo diferentes forças e fluxos dessas forças sejam percebidos e sentidos (muito como o clima), existe um “momentum”, uma combinação de fatores quase “atmosféricos e geológicos” que podem ser encontrados por todo o mundo.

Esse tipo de “astrologia planetária” é tão complexa quanto qualquer forma de leitura do clima e estudo da atmosfera, mas algumas tendências gerais ainda podem ser vistas.

A Precessão dos Equinócios é uma delas. Os Equinócios tem a ver com cada Era Astrológica Humana, querendo dizer que, em determinados momentos (quando um grupo de estrelas está mais próximo do sol durante o amanhecer do equinócio) encontramos maiores e mais importantes Marcos do desenvolvimento planetário.

Assim o sendo, podemos dizer que, de fato, adentramos a Era de Aquário agora.

Claro, pela astrologia hermética já entramos nela a um tempo e estaremos “entrando nela” (no período de transição entre Peixes e Aquário) por mais trezentos anos.

Boa sorte, Europa!

Isso é, até vocês atualizarem a percepção de como as forças planetárias agem aí, claro.

Aliás…

Esse cara faz coisas como as datas que postamos aqui no Platinorum funcionarem para iniciantes. Então consagrem suas moedas nas janelas de Touro, claro. Mas evitem usar astrologia européia para decidir quando fazer seus rituais xamânicos e telúricos.

Espíritos e Inteligências Planetárias

Agrippa foi um impressionante mago europeu. Ele conseguiu sintetizar formas de contato e evocação de seres que chamou “inteligências” ou “espíritos” e associou a cada um dos “planetas” da astrologia.

Essas Inteligências e Espíritos não tem nada a ver com as bolas de terra e lava que estão circulando ao redor do nosso sol conosco, mas ainda são seres muito interessantes de se trabalhar e cujo trabalho é um dos poucos motivos pelos quais a Astrologia europeia “meio que funciona” no mundo todo.

Claro, ter feito essa associação também retirou a pureza original dessa forma de Astrologia, então ela também “meio que funciona” na Europa… mas por motivos… diferentes.

Dito isso, quando falo da Consciência, Espírito ou Inteligência do nosso Orbe eu não estou falando do que seria a Inteligência planetária da Terra pelo sistema de astrologia/invocação/evocação de Agrippa ou de outras formas de Hermetismo.

Também não estou falando de divindades, como Gaia ou Pachamama. Esses seres são deuses – e não podem definidos como sendo “isso” ou “aquilo”. São facilmente encontrados no Campo Consciencial da Terra? Sim. Seu contato nos coloca mais íntimos com o Orbe? Sim. Eles são o Orbe? Não.

Isso é um mundo de quarta dimensão. OH MEU DEUS, MAS NÃO SAÍMOS DO PODER? CADÊ O SENTIMENTO?!! E você acha que ser um meninão birrento aos cinquenta anos não é sentimento? Que ser uma mula emocional que sai dando coice por aí não é estar sendo dominado pelo sentimento?

A Era de Aquário e o Mundo que Virá

Dizer que o planeta se tornará mais “aquariano” é incorreto. Como disse, a astrologia europeia é válida para a Europa, e muito pouco para o resto do mundo.

E, como temos visto, de fato a Europa já tem, a um bom tempo, se tornado mais “Aquariana” – para o lado positivo e negativo da coisa.

Contudo, como um orbe de quarto nível, podemos esperar algumas coisas de nosso orbe.

O primeiro é uma mudança na alimentação telúrica/energética e em quem será alimentado.

Seres naturalmente alinhados com o Sentimento (vejam a diferença dele para as Sensações) serão alimentados, obtendo boa saúde, prosperidade, facilidade de fazer o que quiserem, proteção espiritual do orbe e várias outras “injustiças” que o pessoal que perdeu a vez, ainda não teve a sua ou não se lembra de quando teve fica fulo da vida de ver.

Contudo, todos tem sua hora.

Agora será, pelos próximos 2 ou 3 mil anos, a época do sentimento.

Nessa era temos uma redução brusca da Opressão Planetária por sobre o Prazer, assim como uma negação brusca de toda forma de Poder.

Podemos esperar bem o que foi descrito como Crowley como os lados bons e ruins do “Novo Aeon”.

Isso é o mundo pelos próximos três milênios. Se acostumem.

Inocência e Irresponsabilidade

Uma das características positivas de um mundo de quarto nível é a abertura ao novo e a crença de que “se faz me sentir bem, então é bom”.

Positivas porque é melhor do que “eu devo independente do que sinto”. Contudo, negativa porque traz a irresponsabilidade, auto-centramento e “toxicidade” típicas, por exemplo, de comunidades virtuais – onde o que importa é o que você sente, não o que deve fazer, as consequências de suas ações ou a Verdade.

Um molecão que nunca cresceu.


Liberdade e Infantilidade

Outro aspecto positivo é a Liberdade – é uma época onde a liberdade de sentir é suprema e positiva.

Contudo, é também uma época onde o sentimento do outro, mais do que suas ações, machucam.

Acima de tudo, é uma época de projeções e visões infantis da realidade – onde o outro é “o bom” ou “o mal”, as coisas são “8 ou 80” e a tendência geral e ao comportamento errático, absurdo e muitas vezes cruel que vemos em muitas crianças – especialmente umas para as outras.

Sim, o presidente atual está em consonância com o nível do nosso Orbe. Estamos APRENDENDO a sentir corretamente – ir aos extremos, fazer birra, ser irracional e teimoso são características típicas de um mundo de regeneração.

Autoridade e Censura

A criança respeita, normalmente, a autoridade. Nesse mundo, a conexão de fato com o divino e a presença da capacidade de acessar os Deuses e ser seus mensageiros ou Agentes comanda e comandará respeito e abandono de tudo aquilo que as pessoas consideram a verdade, em troco daquilo que é trazido do Divino.

Contudo, na falta daqueles que tenham contato com o Divino, os atos infantis de controle absoluto dos outros dependendo unicamente do desejo e sentimento pessoal serão a tendência.

Não temos que nos preocupar muito com isso pelos próximos milênios, já que a maioria das egrégoras (exceção às judaico-cristãs, como sempre…) passou ou está passando por seus “fins do mundo”, a partir dos quais há uma purificação geral seguida da presença do divino em pessoa para guiar os demais.

Assim, a Kali-Yuga (que deve durar aí uns 30 a 50 anos) será um desses momentos, e depois virá o que a egrégora hindu chama de “Era de Ouro” – onde o Divino anda entre os homens e os comanda como o pai e a mãe comandam naturalmente a seus filhos pequenos, que ficam felizes de obedecê-los (isso ocorre até mais ou menos os 2 anos de idade, quando as crianças começam a ir contra seus pais… bem parecido com o que podemos esperar lá na frente).

Esse cara conseguiu se não milhões ao menos algumas dezenas de milhares de seguidores enquanto estava de fato sendo um emissário do divino. É muito divertido ver a diferença de quando ele estava “incorporando o divino” para quando não estava.

Prazer e Libertinagem

Com a diminuição da Opressão ao Prazer, podemos esperar a volta da liberdade e espiritualidade tão ligadas a esse mundo, e até mesmo um renascimento (mais purificado e bonito) dos campos sexuais, sensuais e outras formas de se aproveitar a vida e as sensações que temos, sejam vindas do corpo físico ou de outros.

Liberdade

Contudo, há também a tendência à libertinagem – ao uso dos prazeres para ofuscar e impedir o crescimento humano, da mesma maneira que no Aeon passado usou-se a sobrevivência para ofuscar o poder.

Libertinagem

Se no passado tínhamos Guerras, Revoltas, Medo da Morte e assim em diante como uma forma de retirar das pessoas seu Poder, ou forçá-las a exercê-lo segundo interesses tais ou quais, nessa era tenderemos a ter Seduções, Convencimentos, Ideologias, Exageros Hedonistas e assim em diante. Tudo isso para garantir que os sentimentos infantis de alguma pessoa que sabe “navegar nas águas do sentimento” e tem a Alimentação do Mundo sejam satisfeitos.

Outro tipo de libertinagem. Uma espécie de pornografia ou prostituição da violência e da atitude tóxicas, típicos de quem mistura sensações (segundo chakra) com sentimentos (quarto). As sensações como o prazer de fazer parte de uma multidão, de “mandar um cala a boca” e outros do tipo são sensações. A empatia de compreender, ver e vivenciar o outro são Sentimento. Esperem muita gente confundindo os dois.

Em Outras Palavras….

Em toda Era há o positivo e o negativo. Há o mundo a ser explorado e a consciência a crescer.

O que podemos esperar dessa nova era é um desenvolvimento emocional, sentimental e religioso muito além do que até hoje tivemos. O Véu já foi levantado, e Efeitos Físicos começam a se manifestar.

O Divino andará entre nós em breve, e o Místico se aproximará do Físico como a muitos milênios não está.

Aqueles que se empenharem em manter uma consciência clara, autodisciplina, a capacidade de se recolher ou se expandir quando necessário e um diálogo constante e aberto com o Divino receberão ali a Autoridade necessária para não só viverem vidas Plenas e Prazerosas, como também para espalharem isso aos demais ao seu redor.

Contudo, também haverá a falta do Divino. A Revolta com ele, a rebeldia, a infantilidade, a treva e o fanatismo. Quando o Sentimento se tornar Sentimentalismo, mesmo assim o orbe alimentará – tanto os que sentem quanto os que são tomados por sentimentos desgovernados e dominados por energias desnecessárias e fora do plano divino.

Sim, você também Cauê. E o Felipe Neto. E o Pato Papão. E quase todo mundo que grita em frente a uma câmera falando de como sente ódio e estimula a sensação de “vou meter o cacete” ou “vou falar mesmo” em outros.

Sim, é possível Amar Errado, e é possível Sentir Errado. Nessa Era descobriremos o Sentir Correto e a entrega ao Divino, pois é no Sentimento que nos conectamos com o Divino, nos Rebelamos contra Ele, Sofremos por Sua Falta e com Ele nos Reencontramos em Comunhão Divina.

Boa sorte a todos, e fiquem com Deus.

Arluz

2020.


Você também vai gostar...

4 Comentários

  1. Então. Aí a pessoa me escreve um comentário de três palavras chamando tudo de besteira. Mas eu já acho que besteira é colocar teu nome e e-mail junto com um comentário que pode ser editado pelo autor e postado como se fosse seu!

    Eu tenho uma ética bem legal de jamais editar comentários desnecessariamente, mas ela se baseia em uma espécie de respeito mútuo.

    Claro, esse respeito é relativamente bem tranquilo. Quando a pessoa me xinga, eu mando a real de que ela é um bosta que não tem poder nenhum aqui.

    Quando quer me dar lição e se botar por cima, eu coloco ela por baixo e demonstro que poder imaginário é masturbação mental. Aí vamos além do nível mais basal de lutas por poder dentro da mente e colocamos o controle mental a prova.

    Mas em casos como esse, de comentários totalmente vazios, acho que vou fazer esse tipo de coisa aqui agora. Escrever como se fosse a pessoa, usar o nominho dela e o e-mail para falar umas coisas e tals.

    Todo mundo bem? Como foi o dia de vocês? O clima aqui tem estado bem seco, mas tenho um humidificador em casa e isso ajuda muito durante a noite.

    Enfim. Quadrados de porcelana não serão pintados por tetris alienígena.

  2. As postagens são sempre tão esclarecedoras… fico boquiaberto. E o fechamento é perfeito, de arrepiar. Muito obrigado pelas palavras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *