Bardon

Bardon, tão famoso, tão bom, e difícil!

Existe um consenso dentre os praticantes de magia: os livros de Franz Bardon são difíceis!

Faz muito tempo que fui apresentado ao Iniciação ao Hermetismo, em uma rápida leitura vi que o livro é uma promessa grandiosa, cada capítulo apresenta uma teoria simples, exercícios de maneira didática e aparentemente, pelo menos para os incautos, simples. Cada capítulo também é um sistema de níveis a ser seguido e superado, passou o primeiro vai para o segundo, e assim por diante, tudo muito bem explicado, certo? NÃO! O tormento começa quando você inicia a obra, vai adiante e se vê paralisado no Grau 1. O livro também não facilita, começa com o pé na porta e só vai melhorando. Alguém terminou o Iniciação ao Hermetismo com sucesso completo? Provavelmente nem o Bardon. Alguns exercícios demoram anos para serem completados com algum sucesso.

Qual é o problema desse método?

Existem vários, vou tentar esclarecer alguns aqui, apesar de não ser dono da verdade, estou envolvido com as obras do Bardon a alguns anos, tanto que recomecei o Iniciação ao Hermetismo três vezes e acredito que na terceira vez eu acertei um pouquinho.

1 – Os livros do Bardon são uma direção e não um trilho.

Pode ser complicado um iniciante entender que um livro, Ordem ou culto traz um método testado de magia, só isso, mas que a magia é um caminho individual e impossível de padronizar, não tem como duas pessoas possuírem caminhos idênticos. Então tentar seguir o IAOH ao pé da letra só vai trazer frustrações, ele é uma direção a ser seguida e seus exercícios são métodos que tornam essa direção possível de ser seguida. Quem lê o livro percebe que ele parece um livro de matemática, frio, metódico, cheio de avisos e regras a serem seguidas, é impessoal. A estrutura do livro não foi impensada, é para ser genérico para poder caber na vida de toda e qualquer pessoa, e o adepto é que vai ter de transformar aquela prática em algo aceitável dentro da sua individualidade.

2 – Os livros não são gurus.

Aprender diretamente de um mestre possui grande vantagens, e grandes perigos, por isso no Ocidente os livros são mais procurados, porém o livro não é um guru, ele não vai adequar os ensinamentos a você. Fica claro no Grau IV do IAOH que o adepto deve buscar o contato com seu “Mestre interior” ou “Anjo da Guarda”, para poder chegar a algum lugar, e pode ser que os ensinamentos do livro sejam abandonados ali mesmo. Então encarar qualquer obra como verdade absoluta é um caminho que não leva a lugar algum.

3 – Bardon não queria escrever livro algum.

Provavelmente Franz Bardon não queria escrever livro nenhum e não queria fama em torno de si, isso é questionável mas tudo aponta que ele desejava ensinar pessoalmente e seus discípulos iriam ensinando outros e assim por diante, mas isso não foi possível. É quase certo que os livros são uma juntada de diversos documentos e ensinamentos do Bardon, o que nos diz que alguma coisa ali está faltando ou sobrando, provavelmente os dois.

4 – Ele não era tão poderoso assim.

Aqui entramos em local perigoso, mas existem diversas lendas sobre o Franz Bardon, inclusive sobre ele ser a reencarnação de grandes mestre do passado e possuir poderes mágicos praticamente absolutos. Na verdade não foi bem assim. Que ele era um mago competente e bastante progressista para seu tempo é inegável, mas ele não era um senhor absoluto de todos os poderes da terra e nem recebeu seus dons por um milagre sem esforço ou estudo. Existem fortes indícios que ele foi discípulo durante boa parte de sua vida, e que ele foi o grande divulgador do sistema mágico por sua personalidade carismática e mente mais voltada a ciência.

5 – O livros não se fecham.

Cada grau do IAOH traz técnicas difíceis de serem seguidas, isso já foi dito, mas elas não estão completas ali, ou não esgotam ali. Certamente o próprio Bardon não conseguiria escrever tudo sobre cada um dos graus e exercícios abordados nos livros, a própria estrutura criada por ele é de mínimo de teoria para o máximo de prática, assim o próprio adepto iria chegando as suas conclusões. Ao ler mais atentamente vemos que Bardon cita práticas budistas, o tarot, e a filosofia grega, também traz práticas espíritas, radiestesia e radiônica, e uma boa parte de taoismo uma busca por essa literatura vai ajudar muito os trabalhos. Também temos misticismo islâmico, mas isso fica mais evidente na Prática da Evocação Mágica.

6 – Bardon é um homem de seu tempo.

Não adianta tentar santificar o autor pelo conteúdo de sua obra, o autor vai escrever segundo sua leitura de mundo e vivência, nada incomum. Vemos que Bardon tenta trazer um conteúdo “científico” para suas práticas, um método, por isso suas obras são secas, parecem livros de matemática, onde se fazendo x, y acontece.

7 – Faça seu melhor e pronto.

Para mim é difícil falar isso, mas é impossível atingir-se a perfeição no IAOH, por isso é importante o autoconhecimento e saber onde chegou o limite, como foi falado antes a obra é genérica, extremamente seca. Vá treinando, vá fazendo, até que sinta-se confortável a ir ao próximo nível, e não sinta vergonha de voltar dois ou três no meio do caminho, acontece, muito!

Gostaria muito de poder debater mais as obras de Franz Bardon e seus treinos, mas infelizmente não há uma grande aceitação dentro do público brasileiro, e é comum haver a deificação do autor, levando obras ao pé da letra e lendas como verdades absolutas. Se for do interesse dos leitores me prontifico a discutir mais o IAH e fazer um grupo de estudos voltado ao Bardon.

Você também vai gostar...

5 Comentários

  1. Salve,

    Ótima matéria! No início de 2018, comecei minha jornada com o Iniciação ao Hermetismo, “O Caminho do Adepto”. Tive um “bom” entendimento teórico do capítulo 1, e cheguei a praticar alguns dos exercícios diários, porém, logo procurei algum grupo de discussão e pratica desse livro, pois senti que não seria fácil seguir sozinho. Acabou que não consegui passar de um mês, devido a uma serie de dificuldades encontradas. Ainda ouvia relatos de que era um livro pra estudar e praticar durante um período de 5 anos. Considero que foi uma boa experiência e serviu para incitar minha curiosidade e novos estudos sobre o Hermetismo. Quero tentar novamente, bem mais pra frente.

    1. Não sei de colocar um limite de 5 anos seria o ideal. Fiz uma pesquisa sobre a vida do Bardon e suas influências e amigos, tem muita coisa ali que veio na “mão do gato”, cortado e montado pelos editores do livro. Mas é algo que dá para ser feito. Depois das pesquisas que fiz vi que muito do que está no livro está incompleto, ou em excedente, tem mais coisas a serem abordadas em cada um dos níveis que poderiam ser simplificadas e expandidas, penso que o próprio Bardon não teve a capacidade de expressar completamente o que queria no livro.

    1. Já pensei em criar um fórum para debater e tentar ajudar e me ajudar no processo de aprendizado do livro. Tem muita coisa escondida ali e coisas “fora do contexto”. Obrigado pelo comentário.

      1. Um fórum seria legal para debater os graus. Também estou praticando e voltei várias vezes por achar que deveria seguir a risca, mas vi que não era assim. Vejo que hoje obtive um maior aproveitamento do livro, mas fica difícil sem pessoas para compartilhar suas experiências.

Deixe uma resposta para Akin Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *