David, o perigoso – ou como desobedecer o rei

E ele mudou sua fala diante seus olhos, e ele fingiu insanidade em suas mãos. E ele arranhou as portas e deixou a saliva escorrer em sua barba. (1 Shemuel/Samuel 21:13)

A interpretação comum é que David, com medo de ser morto pelo rei, fingiu estar louco. Se jogou contra a porta e babou. Dizem que esses gestos se assemelhariam a um ataque epilético. E, na época (como hoje), as pessoas têm medo de se aproximar de epiléticos. O rei, assim, em vez de considerar David uma ameaça, manda apenas que o expulsem do palácio.

Mas o texto pode dar outras dicas.

Modificou seu comportamento: shanah é “duplicar”. No sentido de fazer duas coisas ao mesmo tempo. David não ficou louco de verdade, mas agiu de uma maneira para obter um resultado oculto. Ou melhor, fingindo estar louco, na verdade estava fazendo outra coisa. Fazia duas coisas ao mesmo tempo.

A palavra aqui para “louco” é holel, sendo hll da mesma raiz de hilel, de brilhar e de hillel ben shahar, traduzido como “Lucifer” na tradição grego-romana, mas que se parece mais com “brilhante filho da manhã”. Ser louco também é ser brilhante, iluminado.

B’yadam, em suas mãos. David estava sendo segurado, então estava “em suas mãos”. Mas a palavra para “mão” é yad, associada à letra (e ao desenho da letra) yud. O valor é 10. Na lógica da cabala, liga os 1s com os 10s (a letra anterior é 9 mas a próxima é 20). É o número de pessoas necessárias para o miniam, tornando a prece ainda mais sagrada (ou potente). E é símbolo da essência espiritual em cada um. Em suas mãos, então, “em seus yad”.

Por último, David arranhou (Tavaw, tav, marcar e Tav, letra TAV) na porta (sha’ar, portal). Fez um sinal no portal, escreveu nas portas.

Pistas? Tav + yud é 410, mesmo valor de  “eunuco”. Vamos dar um passo para trás…

Yad também é o nome genérico para “lugar fora de casa”. Na Torah, em Isaías/Yeshaiyah 53, D’us promete um “yad vashem”, um lugar que não é casa original, mas servirá para homenagear os nomes de “eunucos”. O nome sobrevive nos filhos, na memória e no nome da família. Eunucos (literais ou alegóricos), por não poderem ter filhos, não teriam descendentes para fazer seu nome sobreviver. Então, em uma parede, dentro do templo, D’us garantiria que seus nomes fossem gravados para serem lembrados.

Sempre me pergunto o que David teria escrito nas paredes do rei Achish? Ele era prolífico, mas duvido que tenha parado para anotar o Salmo/Tehilim 34 (“De David, quando fingiu loucura diante de Abimelech…”).

01 De David, quando fingiu loucura diante de Avimélech, que o fez expulsar, e ele se pode ir.
02 Bendirei ao Eterno por todo o tempo e em minha boca estará sempre o Seu louvor.
03 No Eterno se glorificará minha alma; ouçam isto os humildes, e se alegrem.
04 Engrandecei comigo ao Eterno e, a uma só voz, exaltemos, juntos, o Seu Nome.
05 Busquei o Eterno e Ele me respondeu, e de todos os meus temores me livrou.
06 Os que a Ele se voltam são iluminados por sua luz, e seus semblantes jamais se cobrem de vergonha.
07 Quando clama o pobre, o Eterno o ouve e o livra de todas as suas atribulações.
08 Acampa o anjo do Eterno ao redor dos que O temem e lhes traz salvação.
09 Considerai e vede quão bom é o Eterno. Bem aventurado é o que Nele confia!
10 Que temam ao Eterno seus consagrados e nada lhes há de faltar.
11 Podem os leões sofrer de fome, mas para os que buscam ao Eterno, nada faltará.
12 Vinde, filhos, e escutai-me; ensinar-vos-ei o temor ao Eterno.
13 Quem é o homem que ama a vida e deseja longos dias para aproveitá-la em felicidade?
14 Aquele que guarda do mal a sua língua e cujos lábios não pronunciam falsidades;
15 que se desvia do mal e pratica o bem, busca a paz e segue seu caminho.
16 O Eterno tem Seus olhos fixos nos justos, Seus ouvidos atentos a seu clamor.
17 Desvia o Eterno Sua face dos malfeitores para, da terra, erradicar sua lembrança.
18 Clamam ao Eterno os justos. Ele os escuta e livra-os de todas as suas atribulações.
19 O Eterno apoia os alquebrados de coração e salva os de espírito contrito.
20 Numerosas são as aflições dos justos, mas Ele os livra de todas elas.
21 Preserva todo o seu ser, nem sequer um osso é quebrado.
22 A própria maldade destruirá o ímpio e, por seu ódio ao justo, lhe advirá condenação.
23 Resgata o Eterno a alma de Seus servos; os que Nele buscam refúgio, jamais perecerão.


Seria que David, achando que ia morrer, decidiu escrever qualquer coisa, apenas para não ser esquecido pela História?

A interpretação comum é a do próprio Tehilim 34: David se rebaixou, porque sabia que se rebaixando D’us o acolheria. Se eu tivesse de chutar, gosto de acreditar que as pistas estão todas aí: David duplicou 10 + 400 (2×410=820). O número 820 é o valor da frase “וְאָהַבְתָּ לְרֵעֲךָ כָּמוֹךָ”.

V’ahavtá l’re’akhá kamókha.
E amarás teu próximo como a ti mesmo.

Shbaa.

Você também vai gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *