Magia Mental

Um bom momento a todos os leitores.

Se considerarmos que magia é toda alteração da realidade através do exercício da vontade, então toda oração é magia,  eu sei que é polêmica essa afirmação, mas se enquadra bem, dentro dessa definição.

Isso me faz pensar e compartilhar com vocês a ideia de magia mental, podendo ser dois casos distintos, sendo o primeiro a magia gerada na mente e o segundo a magia que afeta a mente, nesse texto eu vou me focar na magia gerada na mente.

Ela é essencialmente mais difícil que magias de outras vertentes como, por exemplo, a magia cerimonial,  mas porquê disso?

Por que elementos de outros tipos de magia auxiliam o operador a chegar um estado mental específico em contato com a egrégora também específica, toda a natureza dos implementos, dos métodos, dos gestos, são chaves para se entrar em contato com energias captadas pela mente para realização do objetivo, na magia que é puramente mental, você tem que fazer toda essa preparação de acesso a estas chaves e se colocar no estado mental desejado sem o auxílio de componentes externos.

Então por que se dedicar a magia mental, por que executá-la?

Especificamente em termos mágicos, a perfeita simulação mental de um elemento mágico, equivale as chaves energéticas de um elemento físico, novamente uma opinião polêmica. Isso quer dizer que coisas que são energeticamente necessárias para certos atos mágicos como, por exemplo, a utilização de plantas sagradas ou estados alterados através de enteógenos, não são necessários?

Varia de caso para caso, pois nem todos conseguem acessar essas chaves mentalmente e separar com certeza a magia da ficção, a tradição existe por vários motivos e possibilidade de acesso é um deles.

Porém se você simplesmente não tem elementos para a confecção de materiais e ferramentas mágicas para certas ações, nestes casos a magia mental é sua chance de obter resultados.

Ela é mais difícil, com potencial de ser menos efetiva, mas muitas vezes ela é a única chance que o praticante médio vai ter de executar determinados ritos,  por exemplo, nem todo mundo pode conseguir um cinto de leão utilizado em práticas goéticas, mas a perfeita simulação mental de como é um cinto de leão, com sua textura, cheiro e como ele se comportaria em seu corpo, pode ser um elemento crucial para ser bem-sucedido em uma evocação dessa natureza.

Um exemplo bem conhecido no meio ocultista de magia mental foi quando Aleister Crowley terminou o rito de Abramelin mentalmente, também grande parte de como funciona o sigilo em sua versão mais simples, na magia do caos é magia mental, além de ser objetivo final dos métodos divinatórios, sendo quando você conseguir estar em tanta sintonia com a ideia da divinação que você não precisa mais do elemento auxiliar, apenas sua intuição.

Magia prática para os leitores, se você está inserido em uma egrégora que aceita a ideia de entidades auxiliares, reze e peça ajuda, um exemplo simples e prático de magia mental.

 

 

 

 

Grato pela atenção.

Dheib.

Você também vai gostar...

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *