A Maldição do Corpo

Para um Iniciado LHP, a encarnação é a remanifestação da sua essência primordial, uma oportunidade de experimentar e desenvolver a si, com prazer, beleza e deleite. A encarnação não é um inferno de expurgo, muito menos algo pra apenas ser deixado para trás e esquecido.

Sem esta visão, é inútil qualquer tentativa de empoderamento pessoal seguindo a via sinistra, afinal sua individualidade não será deificada se você não reconhecer seu próprio corpo como algo divino. As filosofias good vibes tentam por o corpo como uma roupa, algo temporário. Mas para gerar significado, você está gerando uma imagem que reverbera no Universo, sua imagem também é você, agora imagine seu corpo físico que tem uma aparência que tem traços simbólicos que precisam ter uma afinidade com a sua alma, ou como chamam corpos sutis.

Se você parar para ver, determinados padrões físicos são análogos a determinados padrões de persona e arquétipos. Tudo está conectado e tudo tem algum sentido de Ser. Se o jargão as above so below é válido, todos os corpos precisam ressoar na mesma significância.

Em trabalhos avançados do contato com o chamado Abismo, existe a separação do que costumam chamar de lower self, o ego como ideia de “eu inferior”, mas demonizado e descartável. Quando este fragmento é renegado, perde-se um importante parte de si, que deveria ser dominada e compreendida, inicia-se nisso um processo de dissolução, no lugar de uma “reciclagem” que posteriormente nos fortalece como indivíduo.

A interpretação errada deste lower self contribui para que a maldição do corpo físico se perpetue, pois essa parte de nós é justamente aquela conectada com nossos instintos e nossos desejos mais mundanos.

Na corrente Draconiana, o corpo é extensão do Self. Ele é uma parte de nós, da nossa essência, tanto o é que podemos descobrir alguns tipos de personalidade analisando o biotipo das pessoas (leia o livro Satanic Witch, da Zeena LaVey – atualmente chamada Zeena Schreck). Ele não é apenas uma roupa descartável. A propaganda nos envenena a buscar padrões estéticos e uma perfeição ilusória. Aquele que realmente quer uma evolução deve abrir o olho para dissolver essa influência.

A filosofia LHP trabalha com a ideia que o corpo, por ser uma extensão do Self, deve ser exaltado em si e reconhecido como tal. O corpo é a parte que representa a primeira cabeça do Dragão Ancestral. Menosprezar o valor que o nosso corpo tem também é menosprezar a natureza, o cosmos e todo o Universo, afinal, todos os elementos materiais existentes no nosso planeta (praticamente toda tabela periódica) vieram das estrelas.

 

Pare todos os dias para se olhar nu/nua no espelho e amar aquilo que está vendo, pois isso é você, todos os elementos que existem nele vieram das estrelas, que são usadas como símbolo maior de iluminação espiritual. Reconheça a sua natureza selvagem, ela é parte de tudo aquilo que constrói a sua identidade.

Ora, seu corpo veio daquilo que tu acredita ser a iluminação, por que continuaria amaldiçoando-o?

Pare o que está fazendo e ame-o agora mesmo.

 

 

Você também vai gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *