Lúcifer

Quer fazer um pacto com Lúcifer?

Ele não é um demônio. Não originalmente pelo menos.

A origem hebraica remonta ao nome heilel ben-shahar, o brilhante filho do amanhecer, que como Estrela d’Alva representava o planeta Vênus. Há um deus romano, Lucifer, o deus do Esplendor e também o Eosphoros (Ηωσφόρος) grego, de mesmo significado. Ainda há uma referência bíblica de que Jesus era a estrela da manhã.

Em nenhuma parte da bíblia fala que ele se tornou um demônio, apenas que ele se rebelou contra o tirano Criador e que foi expulso dos céus. Este simbolismo nos trás um sentido de rebeldia. É muito provável que a sua associação com Satan, seja posterior, a fim de demonizar alguma divindade que não era mais aceita pelos cristãos da época, como vimos algumas analogias no texto Ás Árvores de Mentiras.

Uma reinterpretação mais recente e moderna das correntes de estudos LHP, vêem Lúcifer como o Senhor do Conhecimento, pois ele ao ter consciência de si, tornou-se independente do Criador. Essa consciência de si, é simbolizada pela chama negra. A chama do pensamento independente, ela é negra pois representa o lado desconhecido da alma e porque não é iluminada pela luz do criador. Este simbolismo é encontrado em vários panteões. Odin é o Senhor da Luz, deus da Sabedoria, tanto que seus corvos se chamam Pensamento e Memória, onde você pode ler mais no texto Os Corvos de Odin e a Alma Humana.

Também podemos encontrar uma semelhança mais próxima com o Exu, (ler Exu o Senhor do Vazio), como sendo o senhor de todos os caminhos, de personalidade arredia e contraditória, revela aquilo que está oculto.

Por fim, ainda há a analogia de Lúcifer com a Serpente do Éden, a qual fez comer do fruto proibido, da Árvore do Conhecimento, e segundo os escritos bíblicos:

Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal.” Gênesis 3:5

Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente” Gênesis 3:22

Além da serpente, qualquer semelhança de Adão e Eva com Lúcifer não é mera coincidência, já que o mito é bem análogo ao de Lúcifer sendo expulso dos céus.

Em todos esses mitos, podemos perceber que há este arquétipo que traz a nós a consciência de que somos seres independentes e temos responsabilidades sobre as nossas vidas. Essa visão fica mais clara no paganismo germânico, pois o Óðr é a própria inspiração. Dando-nos o poder de criar.

Nas correntes LHP isso é trabalhado com mais clareza, pois o objetivo maior é a individualidade, no sentido de ter consciência de si mesmo para trilhar o próprio caminho, despertando a chama negra dentro da mente, até que ela se torne rubra, motor de toda energia vital do universo.

Ainda há em linhas de Kimbanda, uma entidade conhecida como Exu Lúcifer, ele é o Exu das Sete Liras. Onde muitos apenas o atribuem a ganhos materiais, em verdade seu principal objetivo de trabalho é do despertar da consciência e consequentemente do brilho pessoal, por isto muitos atores famosos fazem trabalhos com estas linhas, a fama é consequência de seu brilho e não causa.

Por última acho importante frizar que não existe pacto com Lúcifer. Por que diabos um ser de tamanha grandeza iria querer almas de pessoas que estão desgraçadas na vida? O grande trabalho divino desse arquétipo é abrir as portas para que como ele, tenham consciência de si, possam ter seu próprio brilho e encontrar o próprio caminho, vender a alma é algo que não faz sentido, apenas na literatura e na cabeça de gente desesperada para encher o bolso de charlatão.

Acenda uma vela pedindo para sua luz brilhar e veja a ilusão do Éden ruir na sua frente.

Você também vai gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *