Kabbalah e Êxodo, de Z’Ev Ben Shimon Halevi

Cursor_e_499011-MLB20470366548_112015-C_jpg__400×400_Às vezes, o texto de Z’Ev Ben Shimon Halevi beira o virtuosismo interpretativo. O autor consegue tirar grande número de interpretações de pequenos trechos do livro de Shemot/Êxodo. Mesmo que o leitor não consiga pescar todas as referências, é ótimo exemplo do palimpsesto que é a Torah para o povo judaico.

Palimpsesto é o texto escrito sobre outro texto, em pergaminho usado. Os mitos judaicos já eram, à época do exílio na Babilônia, identificados como misturas de mitos regionais. Acher foi excomungado por dizer isso, mas não foi esquecido. Talvez os grandes rabinos soubesse que alguém precisava dizer tal verdade.

Shimon Halevi não chega ao ponto de blasfemar sobre o judaísmo, mas o bom leitor saberá que ele se refere a mitos externos durante boa parte das interpretações apresentadas na obra. O texto desta coluna “A Criação dos Quatro Mundos e suas Inconsistências” segue as ideias de Shimon Halevi sobre a criação dos mundos.

Shbaa.

Você também vai gostar...

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *