Cabala Judaica #10: A Evocação de Chesed

O presente texto compartilha uma experiência simples e pessoal para contato com uma sefirah. Algumas alterações podem ser necessárias – e devem ser feitas – para adaptar o ritual aos procedimentos individuais de confiança de cada estudante.

Aproximando-se da Bondade

1
Uma colega de estudos sempre me dizia:

Bondade é um bichinho assustado. Não pode chegar correndo assim que ela se avoa…

Quando falamos de tikun, reparação do mundo, vamos imediatamente às ideias de Chesed, bondade, compaixão. Mas quando os antigos falavam de “reparação” e “justiça” no mundo, esfera que usavam era Yesod.

Yesod é o que nos une no sentido mais próximo ao que hoje chamamos de materialista. Yesod é a justiça logo àcima do material. Não é uma forma de bondade abstrata emanada de corações distantes. Yesod é estar junto, é acompanhar ao sair da porta, é dar a mão ao cumprimentar, é oferecer comida e água. Yesod não é só bondade, é fazer bem. Fazer sentir o bem.

Por que dei um título para falar de outra esfera?

Porque precisamos de Yesod para trazer Chesed para nossa realidade. Chesed é uma energia predominantemente interpessoal e – segundo algumas fontes – “pura demais para os humanos interagirem com ela”. Precisamos de Yesod para torná-la intrapessoal, para trazê-la para dentro de nós.

3

Estude Chesed

Reconheça Chesed em outros lugares. A verdadeira presença de Chesed é reconhecida na maioria das vezes como chen. A tradução é “graça”, mas os leigos chamam de sorte.

Comunique-se com Chesed

Comunicar, do mesmo radical de “comunhão”:

  • fale sobre Chesed, encontre um amigo com quem conversar, divida uma experiência de transbordamento ou converse sobre aquele dia em que tudo pareceu dar certo
  • chore sozinho, criar vínculos de empatia consigo mesmo também é importante, derrube aquela parede de mar interior

Estou tentando não descrever minha experiência com Chesed, ou minhas traduções sobre Chesed. Mas é difícil. Se sua descrição não bater com as minhas, não julgue que algo deu errado.

Exercício de casa

4

Vou chamar este exercício de “Ilusão é Vida”.

Limpeza do ambiente e da mente

  • Faça um banimento, RmP, ou limpeza em hebraico, conforme áudio disponibilizado no fim deste artigo.
  • Entoe Shir haMaalot, conforme áudio disponibilizado no fim deste artigo.
  • Se o estudante não puder ou conseguir fazer a leitura entoada/cantada do texto, deve ler versão traduzida do texto da canção. A canção pede que D’us tome controle da voz do estudante e o guie para agradecer a meta chegada ao objetivo, simbolicamente ao estado de graça, a cidade prometida. O estudante deve sentar-se confortavelmente, só em sua sala (de preferência sozinho na casa). A leitura é repetida diversas vezes, em voz baixa, em cadência continuada e monótona.

Declaração por escrito

  • O estudante deve declarar sua intenção de trazer Chesed até Yesod em voz alta. O texto pode ser preparado e decorado anteriormente.
  • Projeção do sigilo (escolher palavras e imagens conforme Aiq Bkr já discutido por aqui de valor 72 – se não for possível, use múltiplos de 18). O estudante pode preparar e memorizar a forma do sigilo anteriormente. Mas deve traçá-lo novamente após a declaração de intenção.

Contemplação

  • Leia em silêncio do texto da declaração, contemplação de sigilo.
  • Demarque um espaço para a conclusão da evocação.
  • Entre no espaço demarcado.
  • Medite e/ou tome um banho.

Tome um banho morno. Com a água do chuveiro sobre a cabeça, esvazie-se de ar. Deixe o corpo vazio por uns segundos. Inspire de novo. É importante não fechar a garganta enquanto tenta manter o ar fora. Isso é importante agora e será importante em outros exercícios. Se tiver um templo astral, vá até ele. Prepare lá uma banheira de água morna. Entre. Quando soltar o ar dos pulmões aqui, afunde-se na banheira lá também.

Se no seu Tarot a carta da Lua é a de número 18, use-a.

Queime o papel com o sigilo.

Shbaa.

2

Anexo1: Proteção dos 4 anjos em hebraico

Anexo2: Shir haMaalot

Você também vai gostar...

6 Comentários

  1. 1.Shir haMaalot é o salmo 121?
    2. Esse salmo é relacionado à Yesod?
    3. Por que o sigilo deve ser ter como base o número 72?
    4. Existe alguma relação entre os 72 nomes e eles precisarem passar por Yesod para chegar a Malkuth?
    Desde já grato!

    1. 1. Desculpa, vários Salmos começam com “Shir haMaalot”, mas o que é chamado por esse nome é o Salmo 126 (125 pela numeração grega). O texto traduzido começa com “Quando IHVH trouxe os cativos de volta a Zion, nós éramos como aqueles que sonham”.

      2. O Salmo se inicia com alusão ao estado de felicidade semelhante a um sonho bom. Sim.

      3. 72 é o valor de Chesed = chet-samech-dalet = 8 + 60 + 4 = 72. Também é 18×4, sendo 18 o valor de Chai = Vida, símbolo de boa-aventurança, graça ou boa sorte.

      4. O conceito de 72 nomes tem interpretações demais para uma resposta coerente aqui… Mas eu diria que não necessariamente, embora a ideia de 72 nomes esteja ligada a Chesed ou a um “deus da Bondade”.

      Shbaa.

  2. PS: o RMP é tão eficaz quanto a invocação a limpeza em hebraico? Os nomes dos arcanjos são iguais, e eu os pronuncio do mesmo modo do áudio.

    1. Embora eu goste mais da limpeza em hebraico do que do RMP, ela faz parte de um ritual noturno maior e é ela mesma parte do RMP. Logo, o RMP é mais abrangente.

      O RMP foi projetado para funcionar com quem não está necessariamente ligado à egrégora judaica. Deve, suponho, ser até mais eficaz para os não-judeus do que essa limpeza hebraica do áudio.

      Shbaa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *